Operação Lava Jato

Criatividade e erudição são a marca dos nomes das operações da Lava Jato

Rio de Janeiro, 28 Jan 2017 (AFP) - Não é comum que palavras em sânscrito, italiano ou latim ganhem as manchetes. Mas foi o que aconteceu com a operação "Satiagraha", deflagrada pela Polícia Federal em 2008, e com diferentes fases da "Lava Jato", lançada em 2014.

A operação Satiagraha - termo que em sânscrito significa "firmeza na verdade" e que foi usado por Mahatma Gandhi durante a campanha pela independência da Índia - teve como alvo um esquema de desvio de verbas públicas e lavagem de dinheiro e resultou na prisão do banqueiro Daniel Dantas, entre outros.

Desde 2014, expressões elaboradas como esta têm proliferado na mídia a cada nova fase da "Lava Jato", caso de "Nessum Dorma" e "Erga Omnes".

Delegados batizam operações

Não há nenhuma normativa que defina critérios para a escolha dos nomes, e o delegado que coordena a operação é o responsável por batizá-la, segundo a assessoria da PF.

A escolha do nome "vai da criatividade do delegado, sempre tendo algum vínculo com o que está sendo apurado", resume o delegado Luciano Leiro, diretor da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal no DF.

No início dos anos 2000, a PF teve uma gestão que incentivou o batismo das investigações, e "isso ficou mais organizado, toda operação passou a ter que ter um nome", explica o delegado Cairo Duarte, superintendente em exercício da Polícia Federal no DF.

Na prática, a busca por nomes originais para os inquéritos já virou uma tradição.

O próprio sistema informático da PF exige que as operações sejam cadastradas com um nome. Assim, no momento da instauração do inquérito, o delegado responsável costuma reunir a equipe - presencialmente ou por WhatsApp - e fazer um "brainstorming", conta Leiro à AFP.

Entre as opções aventadas, há nomes que se destacam pelo grau de erudição. São termos que buscam referências na história, nas artes, na religião ou em outros idiomas.

Ópera como inspiração

A 19ª fase da Lava-Jato foi intitulada "Nessum dorma" como um alerta para os corruptos, de acordo com o delegado Igor de Paula, coordenador da Lava-Jato em Curitiba.

A expressão, que em italiano significa "ninguém durma", é também uma famosa ária da ópera Turandot, de Giacomo Puccini.

"Foi numa época em que houve um intervalo muito grande entre as fases da operação, e a escolha do nome teve essa ideia de 'não durmam', fiquem atentos, que a Lava-Jato está avançando", aponta De Paula, que aprendeu a apreciar a arte lírica com seus avós italianos.

O delegado diz que, em geral, a preferência por nomes "eruditos" é reflexo do bom "nível de formação cultural" dos membros da PF.

Para Duarte, a explicação está na qualificação dos policiais que entraram na instituição nos últimos anos.

"Hoje o policial federal tem uma erudição maior. A PF é um concurso disputado, são pessoas que têm uma capacidade intelectual elevada e curso superior", diz.

Latim

A 14ª fase da Lava-Jato, intitulada "Erga Omnes", que significa que uma norma "valerá para todos", prendeu Marcelo Odebrecht, o presidente da maior construtora do país, até então considerado intocável.

Expressões em latim como esta são comuns no Direito, que é o curso exigido para ser delegado, observa De Paula.

Este é também o caso da "Omertà" (35ª fase da Lava-Jato), palavra napolitana que define o código de honra de organizações mafiosas.

Na operação da PF, o termo remete ao voto de silêncio na Odebrecht e ao codinome que a construtora usava para se referir ao investigado e ex-ministro Antonio Palocci (o "italiano").

"São expressões que aparecem na formação de Direito. A Omertà faz parte de uma parcela da investigação em que tradicionalmente se estuda o crime organizado, envolvendo a máfia", acrescenta De Paula.

Acarajé polêmico

Além de "facilitar a organização interna", o batismo tem uma função de gerar "um efeito na mídia", afirma Leiro. Busca-se, portanto, um nome original para tornar a operação mais "atrativa" para o público.

Mas nem só de ideias brilhantes vive a PF. Na maioria das vezes, um simples elemento da investigação é utilizado para nomeá-la, como nas fases da Lava-Jato "Acarajé" e "Pixuleco", termos com que investigados se referiam à propina.

Há, ainda, as referências populares e os trocadilhos. A operação Arca de Noé, de 2002, resultou na prisão do bicheiro José Arcanjo. Em 2004, a operação Matusalém investigou o desvio de verbas da Previdência Social.

A lista segue, com operações como Banco Imobiliário, que desmantelou uma quadrilha que falsificava dinheiro, e Ctrl+Alt+Del, contra fraudes em serviços bancários on-line.

Esses termos acessíveis, aliás, são os que mais têm repercussão na sociedade.

No caso da Acarajé, esse impacto se transformou em polêmica, quando associações de religiões africanas, que consideram a iguaria baiana um alimento sagrado, repudiaram a vinculação do termo com o crime organizado.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos