Israel acusa HRW de parcialidade e negará vistos

Jerusalém, 24 Fev 2017 (AFP) - O governo de Israel deixará de conceder vistos de trabalho aos membros estrangeiros da Human Rights Watch (HRW), acusada de parcialidade, anunciou nesta sexta-feira a ONG, que criticou a medida.

O ministério israelense das Relações Exteriores confirmou à AFP a decisão.

A HRW, que divulgou vários relatórios críticos sobre a ocupação israelenses dos territórios palestinos, solicitou há vários meses um visto para o novo diretor de seu escritório para Israel e Palestina, Omar Shakir, que tem cidadania americana.

No dia 20 de fevereiro, as autoridades israelenses afirmaram que o pedido foi rejeitado porque a HRW "não é realmente uma organização de defesa dos direitos humanos", afirma um comunicado da ONG com sede em Nova York.

O porta-voz da chancelaria israelense, Emmanuel Nahshon, acusou a HRW de ser "uma organização fundamentalmente parcial e anti-israelense dotada de uma agenda hostil".

"Por quê deveríamos conceder permissões de trabalho a pessoas que têm como único objetivo nos denegrir e atacar?", perguntou Nahshon. Os funcionários israelenses e palestinos da HRW podem continuar trabalhando, explicou.

"Estamos realmente consternados", afirmou à AFP Omar Shakir.

"Trabalhamos em mais de 90 países. Muitos governos não gostam de nossas conclusões baseadas em investigações profundas, mas sua reação não é reprimir o mensageiro", completou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos