Protestos na Venezuela deixam três mortos

Caracas, 24 Abr 2017 (AFP) - Três pessoas morreram nesta segunda-feira em cidades do oeste da Venezuela, em mais um dia da onda de protestos contra o presidente Nicolás Maduro, que já deixou 24 mortos em um mês.

"Há um morto em Mérida e dois em Barinas", disse à AFP uma fonte da Promotoria.

Entre as vítimas há um manifestante chavista (pró-governo) baleado em Mérida, segundo o Defensor do Povo, Tarek William Saab.

"Estava se manifestando pacificamente quando, supostamente, foi baleado", disse Saab à TV estatal, acrescentando que havia cinco jovens feridos entre "a vida e a morte".

Dirigentes do partido opositor Primeiro Justiça denunciaram que os dois mortos em Barinas protestavam contra Maduro e foram alvo de "paramilitares do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela)", no poder.

No mesmo incidente, dois manifestantes foram feridos, segundo o Primeiro Justiça.

Em Caracas, dois caminhões do Ministério dos Transportes foram incendiados por manifestantes em uma autoestrada no leste da capital, onde milhares de pessoas se reuniram no "plantão" para exigir eleições e a saída de Maduro.

Manifestantes com os rostos cobertos ou encapuzados jogaram gasolina na autoestrada e atearam fogo aos caminhões, que estavam estacionados, sem que a polícia reagisse de imediato, constatou a AFP no local.

Em seguida, os manifestantes utilizaram os veículos calcinados para bloquear a autopista, em um trecho próximo a um shopping do bairro nobre de Las Mercedes.

Mais cedo, a tropa de choque havia lançado bombas de gás lacrimogêneo contra manifestantes, que responderam com pedras, em incidentes no mesmo setor.

Com um alto-falante, um líder opositor pedia ao "protesto pacífico evitar a repressão do governo".

Sob um sol forte, milhares de opositores bloquearam vias importantes do país para manter a pressão sobre Maduro, que no domingo reiterou a sua disposição de dialogar e celebrar eleições regionais.

"O som da resistência pacífica é mais forte que o de bombas lacrimogêneas e o chumbo, temos que permanecer aqui", pedia o parlamentar Miguel Pizarro, de um caminhão que abria caminho entre os manifestantes.

O "plantão" contra Maduro também mobilizava manifestantes nas capitais dos Estados de Zulia, Mérida, Anzoátegui, Lara e Bolívar.

A oposição exige eleições gerais e respeito à autonomia do Parlamento, único poder que controla, e assegura que permanecerá na rua até conseguir "restituir o fio constitucional".

"Os protestos pacíficos vão continuar até que o senhor Maduro respeite a Constituição e encerre seu autogolpe. Se não houver resposta da corrupta cúpula madurista, ao final do dia de hoje anunciaremos as próximas ações", alertou o líder opositor Henrique Capriles.

"A Venezuela se ergue contra a ditadura. Se não permitirem que nos dirijamos às instituições, fazermos esta ação para aumentar a pressão. Não vamos nos render", disse o vice-presidente do Parlamento, Freddy Guevara.

Já o líder chavista Diosdado Cabello garantiu que "eleições gerais não vão ocorrer sob qualquer circunstância (...). "Nicolás não vai sair. Em todo caso, temos eleições de governadores e prefeitos que não aconteceram por culpa da oposição".

Os protestos, iniciados em 1º de abril, explodiram depois que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) atribuiu-se funções do Legislativo. Embora tenha voltado atrás nesta decisão, após pressão internacional, a oposição exige a saída de Maduro do poder.

O governo e a oposição se responsabilizam mutuamente pelos incidentes de violência que já deixaram, além dos 24 mortos, centenas de detidos e feridos, e vários comércios saqueados.

- Eleições já -Maduro disse no domingo que deseja "eleições já".

"Eleições, sim, quero eleições já. É o que eu digo, como chefe de Estado, como chefe de governo", lançou o presidente em seu programa dominical, ao se referir às eleições regionais.

Há duas semanas, Maduro já havia dito estar "ansioso" pela convocação das eleições de governadores, que deveriam ter sido realizadas em dezembro, e de prefeitos, previstas para este ano.

"Com o fracasso que tiveram na Assembleia Nacional, estou certo de que o nosso povo vai entregar a conta em qualquer eleição que vier, e vamos ter uma nova e boa vitória", insistiu o presidente.

Segundo as pesquisas mais recentes, Maduro conta com uma rejeição de cerca de 70%.

Depois de suspender um processo para revogar o mandato do governo atual em um referendo, o Conselho Nacional Eleitoral (CNE) adiou as eleições regionais para iniciar um processo de legalização dos partidos que não haviam participado da última disputa nas urnas.

"Estou pronto para o que o Poder Eleitoral disser", garantiu Maduro, que chegou ao poder em 2013, após derrotar Henrique Capriles por uma margem apertada.

Maduro voltou a convidar a oposição a retomar o processo de diálogo, congelado desde o ano passado, depois que a oposição acusou o governo de não cumprir os acordos.

"Estou pronto para mostrar que cumprimos e, se não tivermos cumprido, cumprir", indicou.

"E, daqui, peço ao papa Francisco que continue nos acompanhando no diálogo, porque há uma conspiração em Roma contra o diálogo na Venezuela, e aqui também", acrescentou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos