Informe britânico acusa sauditas de financiar radicalismo islâmico

Londres, 5 Jul 2017 (AFP) - Grande parte do dinheiro que financia o extremismo islâmico no Reino Unido procede da Arábia Saudita - aponta o informe de uma organização britânica divulgado nesta quarta-feira (5).

A embaixada de Riad já reagiu, chamando o relatório de "falso".

"Embora haja entidades de todo Golfo e Irã culpados de promover o extremismo, as da Arábia Saudita estão, sem dúvida, no topo da lista", afirmou o analista Tom Wilson, da Henry Jackson Society, em uma nota.

Segundo essa entidade, a Arábia Saudita empreendeu, a partir dos anos 1960, "uma iniciativa multimilionária para exportar o wahhabismo por todo o mundo islâmico, inclusive entre as comunidades muçulmanas do Ocidente".

Wahhabismo, ou salafismo, é a corrente do Islã dominante na ultraconservadora Arábia Saudita.

O informe relata que o financiamento foi feito, basicamente, por intermédio mesquitas, as quais "abrigaram pregadores e textos radicais".

Ainda segundo o texto, alguns dos pregadores mais extremistas do Reino Unido "estudaram na Arábia Saudita".

Em um comunicado transmitido à rede BBC, a embaixada saudita em Londres assegurou que as acusações "são categoricamente falsas".

"Não aprovamos e não aprovaremos nunca os atos, ou a ideologia, do extremismo violento", ressaltou a missão diplomática saudita.

A Henry Jackson Society recomendou que sejam adotadas novas leis que obriguem as mesquitas e outras instituições muçulmanas a declarar o financiamento estrangeiro recebido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos