Israel estudará projeto que pode incluir 'anexação' de territórios

Jerusalém, 26 Out 2017 (AFP) - Israel vai estudar um projeto que, na prática, equivaleria a uma anexação dos assentamentos israelenses construídos nos territórios palestinos ocupados em Jerusalém, no que seria um golpe contra a paz, segundo seus críticos.

Yoav Kisch, um membro do Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, informou na quarta-feira que uma comissão do governo analisará no domingo um texto chamado "Lei sobre a grande Jerusalém".

O projeto de lei colocaria sob a jurisdição do município israelense de Jerusalém os blocos de assentamentos ao sul e a leste da cidade, na Cisjordânia, um território palestino ocupado pelo exército israelense há 50 anos.

Se a comissão, formada por ministros, adotar o projeto, abrirá o caminho para um debate no Parlamento.

O texto provocou indignação entre os palestinos.

A liderança palestina denunciou o projeto do governo de Israel de colocar os assentamentos israelenses na Cisjordânia ocupada sob a jurisdição de Jerusalém, numa iniciativa vista como uma "anexação" e um passo adiante para "o fim de uma solução de dois Estados".

Hanan Ashraui, líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), bem como a organização anti-colonização Paz Agora, denunciaram uma "anexação" de fato de terras localizadas no território palestino.

O projeto visa perpetuar a ocupação israelense, "legalizar a presença de colonos extremistas judeus em solo palestino e concluir" a separação entre Jerusalém Oriental, o lado palestino de Jerusalém, anexado por Israel e a Cisjordânia, afirmou Ashraui, na quarta-feira à noite em um comunicado.

Os palestinos querem fazer de Jerusalém Oriental a capital do Estado que aspiram, enquanto Israel anexou esta parte da cidade e defende que toda a Jerusalém é sua capital, indivisível.

Os assentamentos nos arredores de Jerusalém, alguns dos quais seriam incluídos nesta nova lei, como Maale Adumim e Gush Etzion, dividem Jerusalém Oriental e a Cisjordânia e compromete a construção de Estado palestino tendo Jerusalém Oriental como capital.

Este projeto de lei, assim como as últimas decisões israelenses, "representam o fim de uma solução de dois Estados", considerou Ashraui.

Esta solução, referência da comunidade internacional para resolver o conflito israelense-palestino, parece cada vez mais distante, particularmente após a recusa do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em comprometer-se a seu favor.

"Se adotada, esta lei será uma anexação de fato", afirmou Paz Agora.

A adoção estenderia uma série de decisões israelenses a favor da colonização. Israel aprovou na semana passada a construção de 2.646 moradias para colonos na Cisjordânia ocupada e 176 no coração de um bairro palestino em Jerusalém Oriental na quarta-feira.

A colonização, ilegal sob o direito internacional, é considerada pela comunidade internacional como um grande obstáculo para a paz.

lal-scw/tp/pa/es/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos