Justiça do Zimbábue considera legal intervenção do Exército

Harare, 25 Nov 2017 (AFP) - A Justiça do Zimbábue considerou legal o golpe do Exército que levou à renúncia na terça-feira (21) do presidente Robert Mugabe, estimando que esta intervenção visou impedir pessoas não eleitas de ocupar funções eletivas.

"As ações das Forças de Defesa zimbabuenses destinadas a impedir que pessoas próximas ao ex-presidente Robert Mugabe usurpassem o poder foram constitucionais", estimou na sexta-feira (24) um tribunal de Harare, citado pela televisão nacional ZBC.

O tribunal foi acionado por dois cidadãos do Zimbábue, segundo ZBC.

Os militares assumiram o controle do país na noite de 14 a 15 de novembro para se opor à demissão do então vice-presidente Emmerson Mnangagwa, que barrava o caminho da primeira-dama Grace Mugabe para a sucessão de seu marido.

Um porta-voz dos generais negou qualquer tentativa de golpe contra o governo, afirmando que sua operação destinava-se a eliminar "criminosos" da comitiva do chefe de Estado, neste caso, sua esposa Grace e seus apoiantes.

Posto sob prisão domiciliar, Robert Mugabe resistiu durante vários dias à pressão do exército, de seu partido e das rua, antes de apresentar sua renúncia na terça-feira, sob a ameaça de um processo de impeachment pelo Parlamento.

Após um breve exílio sul-africano, Emmerson Mnangagwa prestou sermão na sexta-feira (24) como presidente do país.

Em seu discurso de posse, prometeu restaurar a economia, combater a corrupção e que as eleições programadas para 2018 seriam "livres e justas".

fn-pa/lp/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos