PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Austrália proíbe polêmicos implantes de telas vaginais

30/11/2017 07h54

Sydney, 30 Nov 2017 (AFP) - A Austrália proibiu nesta quinta-feira (30) o uso de telas vaginais para tratar danos no assoalho pélvico, alguns meses depois de uma ação coletiva contra o gigante da indústria médica Johnson & Johnson pelos supostos efeitos colaterais desses implantes.

Essas telas são implantadas por uma cirurgia para tratar danos no assoalho pélvico, a incontinência urinária e o prolapso vaginal.

O caso está sendo investigado pelo Parlamento, devido às complicações associadas e a seus efeitos colaterais.

Vários jornais locais publicaram testemunhos de mulheres que garantem que esse dispositivo as deixou com dores crônicas muito severas.

A Agência para a Administração de Produtos Terapêuticos (TGA) disse ter examinado evidências clínicas sobre os implantes feitos na Austrália e que também revisou os últimos estudos internacionais.

"A TGA acredita que os benefícios de usar telas transvaginais para o tratamento do prolapso dos órgãos do assoalho pélvico não compensam os riscos que esses produtos implicam para os pacientes", disse a agência do governo em um comunicado.

O organismo declarou ainda ter identificado uma "falta de evidência científica adequada" de que teria mais benefícios do que riscos ao usá-las para tratar da incontinência urinária.

Os produtos serão eliminados da lista que orienta os dispositivos médicos na Austrália a partir de 4 de janeiro próximo.

Gai Thompson, uma das demandantes da ação coletiva apresentada na Austrália, celebrou a notícia.

"Acho que as pessoas não entendem que não há um dia, desde que eu fiz esse implante, em que eu não sinta dor", desabafou, em entrevista à rede ABC.

grk/mp/amz/an/tt

JOHNSON & JOHNSON

Internacional