Parlamento da Venezuela exige indenizar famílias de Óscar Pérez e companheiros

Caracas, 22 Jan 2018 (AFP) - O Parlamento da Venezuela, de maioria opositora, exigiu nesta segunda-feira (22) indenizar as famílias do ex-policial rebelado Óscar Pérez e seis companheiros, mortos em uma operação de captura que qualificou de "massacre".

"O Estado tem a obrigação de indenizar as vítimas de violações dos direitos humanos", disse a deputada opositora Delsa Solórzano, que preside uma comissão parlamentar para investigar a operação policial e militar de segunda-feira passada.

"Os filhos dos massacrados têm que ser devidamente indenizados, assim como os parentes, as viúvas, os pais. Estamos requerendo aos organismos correspondentes que garantam estas medidas", acrescentou Solórzano.

O Legislativo é desconhecido pelo governo de Nicolás Maduro depois que o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) declarou "nulas" todas as suas decisões por "desacato" em 2016. A governista Assembleia Constituinte, que desde agosto rege no país como um suprapoder, aprova as leis.

Pérez, acusado de "terrorismo" e declarado "o criminoso mais procurado" no país, se alçou contra Maduro em meio a protestos opositores que deixaram 125 mortos entre abril e julho de 2017.

Em 27 de junho, ele atacou, de um helicóptero da Polícia Forense, o TSJ e o Ministério do Interior com granadas e armas de fogo, sem deixar vítimas. Em 18 de dezembro amordaçou militares de um quartel junto com seus aliados e roubou armas e munições.

Solórzano denunciou que Pérez e cinco de seus aliados abatidos morreram por disparos na cabeça. A única mulher do grupo, afirmou, faleceu por um tiro na cervical.

"Há um padrão. Há jurisprudência suficiente (...) que assinala que quando há este tipo de padrão há justiçamento", sustentou a deputada.

O Parlamento chamou para depor pelo caso o ministro da Defesa, Vladimir Padrino, e o comandante da militar Guarda Nacional, Richard López Vargas. Citações prévias de funcionários de alto escalão, incluindo Maduro, foram ignoradas.

Uma pequena concentração em rechaço à morte de Pérez se desenrolava nesta segunda-feira em Caracas, no entorno da Universidade Central da Venezuela (UCV), a principal do país.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos