PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Como funciona o Novichok, uma arma química russa perigosa e pouco conhecida

Reprodução
Imagem: Reprodução

05/07/2018 16h50

O agente nervoso Novichok é um componente tóxico pouco conhecido e altamente perigoso. Sua concepção por cientistas soviéticos remonta aos anos 1970-1980, último período da Guerra Fria.

Esta substância, que atua no sistema nervoso, provoca a perda de controle muscular, provocando espasmos e paralisia. Pode levar à morte por sufocamento ou parada cardíaca.

As duas novas vítimas, identificadas por um amigo como Charlie Rowley e Dawn Sturgess, foram encontradas no sábado em uma residência de um bairro de Amesbury, cidade do sudoeste da Inglaterra.

A Polícia anunciou na quarta-feira que os dois foram expostos ao Novichok, usado para envenenar o ex-espião Sergei Skripal e sua filha, Yulia, em março, a 15 quilômetros do local. Ambos se recuperaram após se submeterem a um rigoroso tratamento médico.

"O fato de se tratar do mesmo produto que envenenou os Skripal confirma muitas coisas que suspeitávamos sobre a família dos agentes nervosos Novichok", afirma o professor Andrea Sella, químico da universidade londrina UCL, citado pelo Centro Science Media.

"São feitos para permanecer no ambiente e não evaporar, nem se decompor rapidamente. Isto significa que se um recipiente ou uma superfície foi contaminada, pode ser perigosa durante muito tempo", prossegue.

Por isso, "é vital onde este casal esteve para saber como puderam entrar em contato" com o veneno.

- 'Sequelas neurológicas' -O casal se encontra em estado crítico no hospital de Salisbury, onde também foram tratados por várias semanas o ex-espião russo e sua filha.

Os dois britânicos estão hospitalizados "no único centro onde se conseguiu tratar com êxito pacientes expostos a estas substâncias, razão pela qual tudo leva a crer que o desenlace possa ser favorável para eles", julga o doutor Chris Morris, toxicólogo na Universidade de Newcastle.

"Mas é preciso ter em conta que as vítimas deste tipo de produtos organofosforados podem sofrer sequelas neurológicas por toda a vida, inclusive se se recuperam dos efeitos agudos do envenenamento", adverte o professor Sella.

O Novichok é um agente nervoso como outros venenos mais conhecidos, como o sarin e o VX.

Estas substâncias atacam uma enzima chamada acetilcolinesterase, cujo papel é crucial: destrói a acetilcolina, uma molécula que age na contração dos músculos. Quando um agente nervoso bloqueia esta enzima, a acetilcolina se acumula, causado danos ao sistema nervoso.

Segundo especialistas, o procedimento clássico para tratar os casos de envenenamento com um agente nervoso se baseia em estabilizar as funções vitais do corpo (respiração, batimentos cardíacos). Paralelamente, é preciso administrar ao paciente atropina, medicamento de base para combater os sintomas destes agentes.

Ela bloqueia os receptores de acetilcolina para impedir seu acúmulo no sistema nervoso, permitindo ao corpo expedir o agente nervoso e produzir novamente a enzima que o controlava, desde que o tratamento funcione.

Internacional