PUBLICIDADE
Topo

Chuva, vento e neve atingem o sul da Europa

30/10/2018 18h48

Roma, 30 Out 2018 (AFP) - Uma onda de mau tempo atinge vários países europeus, com chuvas torrenciais e rajadas de vento, entre eles a Itália, onde 11 pessoas morreram, enquanto dezenas de milhares de casas no continente ficaram sem energia nesta terça-feira (30).

Na Itália, o balanço de mortos chegou a 11. Além das cinco vítimas registradas na segunda-feira, um homem morreu em Veneto (nordeste) pela queda de uma árvore, bem como um bombeiro em Alto Adigio (norte). Uma mulher morreu em sua casa por um deslizamento de pedras em Trentino.

Outro homem perdeu a vida enquanto praticava kitesurf perto de Cattolica, na costa do Adriático, ao ter sido arrastado por uma rajada de vento contra os recifes, segundo informou a imprensa local.

O corpo de um homem também foi recuperado nesta terça-feira no Lago Levico, no norte, informaram os bombeiros, e o corpo de outro homem foi encontrado à tarde em um riacho, também no norte do país.

Cerca de 170 turistas e funcionários de hotéis estão bloqueados no Col du Stelvio (norte), na fronteira entre a Itália e a Suíça, a mais de 2.700 metros acima do nível do mar, devido a uma forte nevasca.

Na região do noroeste, Friuli Venezia Giulia, 18.500 pessoas estão sem energia elétrica e as estradas estão intransitáveis, informaram as autoridades locais.

- Fenômeno pouco comum no outono -Especialistas assinalaram que se trata de um fenômeno pouco comum, já que não se recordam de um outono com temperaturas de até 30ºC, seguido primeiro de tempestades de tipo tropical e depois nevascas precoces, e estimam que isto pode ser registrado com mais frequência devido ao aquecimento do planeta.

Em Gênova, o aeroporto só reabriu por volta das 16h00 GMT (13h00 no horário de Brasília), enquanto as escolas da cidade ficaram fechadas o dia todo, assim como em Roma e em muitos outros municípios italianos.

Em Veneza, milhares de turistas ficaram na segunda-feira presos pelo mau tempo e pelo fenômeno da "água alta", registrando o pico recorde de 1,56 metro, o que obrigou a fechar todos os acessos à Praça de São Marcos.

Dois quadros de Joan Miró, que ainda estava em suas embalagens para serem expostos no Palácio Zaguri de Veneza, ficaram molhados durante a excepcional inundação.

Os países vizinhos à Itália também foram atingidos por este mau tempo. Na Áustria, parte do teto da fortaleza medieval que domina Salzburgo voou na noite de segunda para terça-feira devido às rajadas de vento de mais de 100 km/h.

À noite, a Defesa Civil pediu que os cerca de 500 moradores de Muhr (sul) não deixassem suas casas em razão do transbordamento de um rio.

"Em várias décadas, nunca vi isso", declarou na rádio pública o bombeiro austríaco Martin Guggenberger, assinalando que cerca de 10 mil residências não têm eletricidade.

Na Eslovênia, em "alerta vermelho" desde segunda-feira, um automobilista de 80 anos e seu passageiro, de 76, morreram nesta terça à tarde em uma estrada perto da cidade de Maribor, após um deslizamento de terra causado pelas chuvas.

Na França, onde mais de 65 mil lares seguiam sem energia elétrica nesta terça-feira à noite, mais de 2.000 motoristas ficaram presos pela neve em seus automóveis nas serranias do Maciço Central.

A costa adriática da Croácia também foi atingida por fortes ventos e chuvas que inundaram as ruas, cortaram o fornecimento de energia elétrica, e impediram o tráfego marítimo e por rodovias.

Na Espanha, mais de 100 soldados foram mobilizados para ajudar as equipes de reparação elétrica a chegar em zonas isoladas da região norte das Astúrias, coberta pelas nevascas durante o fim de semana. Cerca de 4.700 pessoas continuavam sem eletricidade na área nesta terça, segundo os serviços de emergência locais.

Na República Tcheca, o tráfego ferroviário foi interrompido esta terça de manhã como resultado dos fortes ventos que causaram muitas quedas de árvores nas ferrovias, e cerca de 30 mil pessoas estavam sem eletricidade, segundo a companhia estatal CEZ.