PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Indicado de Trump ao Departamento de Justiça criticou investigação sobre trama russa

20/12/2018 19h02

Washington, 20 dez 2018 (AFP) - O indicado de Donald Trump para chefiar o Departamento da Justiça redigiu, há seis meses, um memorando não solicitado, criticando a investigação do procurador especial Robert Mueller sobre a suspeita de obstrução da Justiça por parte do presidente americano no caso da trama russa - informou a imprensa local nesta quinta-feira (20).

O memorando de William Barr foi considerado uma potencial ameaça à investigação de Mueller e uma possível blindagem de Trump, se Barr for confirmado pelo Senado como novo procurador geral, no lugar de Jeff Sessions.

Barr, que já foi secretário de Justiça (1991-1993) no governo de George Bush pai, indicou no memorando que Trump tinha a atribuição legal de demitir (em maio de 2017) o então diretor do FBI (a Polícia Federal americana), James Comey, por ter-se negado a aliviar a pressão sobre a investigação da trama russa. Assim, segundo ele, não representaria um caso de obstrução da Justiça, noticiou "The Wall Street Journal".

No documento, enviado para o Departamento de Justiça em junho, Barr disse ainda que a investigação de Mueller sobre a suposta obstrução do presidente era "fatalmente equivocada" e "grosseiramente irresponsável", acrescentou o jornal.

Barr afirmou que enviou o memorando ao Departamento de Justiça como uma contribuição do ponto de vista de um ex-funcionário.

A investigação de Mueller e de sua equipe é vista como uma das maiores ameaças legais à presidência de Trump.

"Isso é preocupante: a crítica não solicitada de Barr à investigação de Mueller sobre uma obstrução da Justiça por parte de Trump deve ser questionada no Comitê Judiciário do Senado", disse Laurence Tribe, professor da Faculdade de Direito de Harvard.

pmh/sst/cl/yow/tt

Internacional