PUBLICIDADE
Topo

Internacional

China se opõe categoricamente ao pedido de libertação de canadenses

24/12/2018 08h55

Pequim, 24 dez 2018 (AFP) - A China afirmou nesta segunda-feira que se opõe "categoricamente" ao pedido de Canadá e Estados Unidos de libertação de dois cidadãos canadenses.

"A China expressa uma grande insatisfação e se opõe categoricamente às declarações formuladas por Canadá e Estados Unidos", disse a porta-voz do ministério das Relações Exteriores, Hua Chunying, em uma entrevista coletiva.

"Fazemos um apelo aos países em questão para que respeitem sinceramente a soberania judicial da China", completou.

A ministra das Relações Exteriores canadense, Chrystia Freeland, pediu no sábado a seus aliados que a apoiem ante Pequim para conseguir a libertação dos cidadãos detidos "arbitrariamente" na China, ao mesmo tempo que considerou este um "precedente preocupante" para toda a comunidade internacional.

Freeland afirmou que a detenção do ex-diplomata Michael Kovrig e do consultor Michael Spavor, por atividades "que ameaçam a segurança nacional", de acordo com Pequim, não é um problema puramente canadense, mas que também envolve os os aliados de Ottawa.

Washington também pediu na sexta-feira a libertação imediata dos dois canadenses, enquanto a Comissão Europeia e a Alemanha expressaram preocupação com o caso.

Vários analistas consideram que as detenções podem ser uma tentativa da China de exercer pressão sobre o Canadá após a prisão no início do mês em Vancouver da diretora financeira do grupo chinês de telecomunicações Huawei, Meng Wanzhou, a pedido da justiça americana.

Um juiz de Vancouver ordenou em 12 de dezembro a liberdade sob fiança de Meng, horas depois da confirmação da prisão do ex-diplomata canadense na China.

Freeland disse que nas conversas com os funcionários chineses, eles não mencionaram um vínculo direto entre os dois casos.

prw/bar/phv/pb/erl/fp

Internacional