PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conflito na fronteira com Venezuela deixa 2 mortos; 5 feridos atendidos no Brasil

23/02/2019 22h10

Santa Elena de Uairén , Venezuela, 24 Fev 2019 (AFP) - Ao menos duas pessoas morreram, uma delas um adolescente de 14 anos, e 31 ficaram feridas, em distúrbios registrados na fronteira entre a Venezuela e o Brasil, para onde foram levados cinco feridos, informaram o porta-voz de um grupo de direitos humanos e autoridades brasileiras.

"Os dois mortos são resultantes da repressão de de militares durante distúrbios em Santa Elena de Uairén. Ambos morreram por impactos de bala, um deles na cabeça", declarou à AFP Olnar Ortiz, ativista na região da ONG Fórum Penal, crítica ao governo de Nicolás Maduro.

Os distúrbios foram registrados em dois pontos de Uairén, onde militares venezuelanos bloqueavam a entrada de ajuda humanitária. Moradores favoráveis à entrada da carga ergueram barricadas nas ruas para evitar o avanço dos militares rumo à fronteira.

Duas ambulâncias transportando cinco venezuelanos feridos a bala em confrontos com as forças de segurança entraram na cidade brasileira de Pacaraima, informaram autoridades brasileiras.

Dois feridos foram levado para o Hospital Geral de Roraima, na capital Boa Vista, a 215 km de Pacaraima, e outros três estão a caminho de outro centro hospitar, informou a secretaria do governo da Roraima.

O estado de saúde dos cinco é grave, segundo a fonte.

A médica venezuelana Carla Servitá, que viajou em uma das ambulâncias, disse à imprensa que mais feridos são esperados devido aos violentos confrontos em Santa Elena de Uairén, a 20 km da fronteira.

O deputado venezuelano Luis Silva informou que os confrontos na fronteira deixaram quatro mortos e mais de dez feridos.

"¡Presidente (Maduro) esta é tua Força Armada, veja como atiram em nós!", denunciou José David Morales, de 45 anos, mostrando restos de projéteis disparados no setor El Salto, de Bolívar, onde vos moradores exigiam a passagem da ajuda humanitária.

"A Guarda está reprimindo o povo, começaram atirando bombas de gás lacrimogêneo e balas de plástico, depois começaram a disparar balas de verdade (...) Nós não temos armas (...) Aqui, todos estamos passando fome", reforçou Morales em declarações à AFP.

Os relatos falam de violentos confrontos entre habitantes e membros da Guarda Nacional Bolivariana em Santa Elena de Uairén.

"A coisa está feia no centro. Há tanques, eles nos atacam e nós atacamos os tanques", contou um habitante que não quis se identificar, falando por telefone com a AFP.

Outra pessoa da área disse que, segundo uma enfermeira do Hospital Rosário Vera Zurita, em Gran Sabana, território venezuelano, há 19 feridos.

"Há uma atmosfera tensa, os tanques ainda estão lá e a maioria dos habitantes agora está nas proximidades do hospital", afirmou.

As ambulâncias brasileiras conseguiram entrar no território venezuelano apesar de a fronteira venezuelana permanecer oficialmente fechada desde quinta-feira por ordem do presidente Nicolás Maduro.

Na sexta-feira, outro confronto com militares deixou um morto e quinze feridos no assentamento venezuelano Kumarakapay, a pouco mais de uma hora da fronteira com o Brasil, quando os moradores tentavam de impedir o fechamento da fronteira, determinado pelo presidente Nicolás Maduro.

Inicialmente falou-se de dois mortos, mas mais tarde constatou-se que a segunda pessoa se recuperava de ferimentos graves em um hospital do lado brasileiro, segundo a ONG Provea.

As fronteiras da Venezuela com a Colômbia e com o Brasil foram fechadas por determinação de Maduro, que considera a ajuda um pretexto para uma intervenção militar americana.

A ajuda foi pedida pelo opositor Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por 50 países.

Internacional