PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Cuba vota nova Constituição atenta à Venezuela e na mira dos EUA

24/02/2019 11h24

Havana, 24 Fev 2019 (AFP) - Os cubanos votavam neste domingo em um referendo constitucional que, na realidade, discute a vigência do socialismo em meio a fortes pressões dos Estados Unidos e com os olhos voltados para a crise na Venezuela, seu aliado mais próximo.

Mais de 8 milhões de cubanos foram convocados para a votação da nova Carta Magna, que deve substituir a de 1976.

O novo texto reconhece o mercado e o investimento privado e estrangeiro como atores em sua economia de linha soviética, mas sempre sob o comando do único e governante Partido Comunista de Cuba, e afirma que "apenas no socialismo e no comunismo o ser humano alcança a dignidade plena".

A consulta acontece em meio à crise que atravessa o governo venezuelano de Nicolás Maduro.

"Cuba em pé pelo #Sim à #Constituição e ratificando o apoio à #RevoluçãoBolivariana e ao presidente Nicolás Maduro", tuitou o presidente cubano Miguel Díaz-Canel.

Cuba faz campanha para tentar unir a comunidade internacional contra o que denuncia como "agressão militar dos Estados Unidos" contra o seu aliado.

"#Venezuela não está sozinha. #ManosFueradeVenezuela", afirmou Díaz-Canel, para quem o sim é "um voto também pelo socialismo, a pátria e a revolução", assim como a resposta de seu país às ameaças de Donald Trump.

Os colégios eleitorais abriram às 07H00 (9H00 de Brasília), e o fechamento está previsto para às 18H00 (20H00 de Brasília), mas os resultados oficiais preliminares só serão divulgados na segunda-feira à tarde.

Na segunda-feira, Trump afirmou em Miami que "os dias do socialismo e do comunismo estão contados na Venezuela, e também na Nicarágua e Cuba", três países apontados como "a troika da tirania" pelo governo americano.

O governo cubano organizou uma campanha onipresente nas redes sociais e canais de televisão estatais - os únicos em sinal aberto - para obter a aprovação, com o uso da hashtag #YovotoSí, apelando ao patriotismo e questionando as posições contrárias.

A cédula de votação tem apenas uma pergunta "Você ratifica a nova Constituição da República?", com opções para "sim" e "não".

Ao contrário das tradicionais eleições que acontecem na ilha a cada cinco anos, nas quais os opositores defendem a abstenção, anulação ou voto em branco, desta vez fazem campanha pelo não.

Lemas como #YovotoNo, impulsionado pela oposição nas redes sociais, não chegam aos destinatários quando enviados por SMS, comprovou a AFP.

Para a Constituição passar é necessário obter 50% + 1 dos votos e o governo tem a certeza de uma grande vitória. O voto é facultativo na ilha.

O projeto constitucional foi apresentado em julho de 2018 e debatido em fóruns populares entre agosto e novembro. O projeto final, aprovado pelo Parlamento em dezembro, agora vai a referendo.

rd/mav/yow/mr

Internacional