Topo

Juiz chileno condena 11 ex-militares que queimaram vivos dois jovens na ditadura

Associated Press
O ditador chileno Augusto Pinochet Imagem: Associated Press

2019-03-21T16:51:00

21/03/2019 16h51

Nesta quinta-feira, um juiz chileno condenou 11 militares aposentados acusados do assassinato de um fotógrafo e da tentativa de assassinato de uma estudante, depois de terem sido queimados vivos em uma manifestação em meio à ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990).

Os 11 condenados foram acusados em setembro de 2017 pelo juiz Mario Carroza de "homicídio qualificado" do fotógrafo Rodrigo Rojas De Negri e "homicídio frustrado" da universitária Carmen Quintana, durante uma revolta em 1986, em um caso que foi transformado em uma das mais emblemáticas violações de direitos humanos cometidas durante o regime militar.

Carróza condenou os ex-oficiais Julio Castañer, Iván Figueroa e Nelson Medina Gálvez "a 10 anos e um dia de prisão, como perpetradores dos crimes", segundo a sentença emitida pelo Poder Judiciário.

Os outros oito ex-militares foram acusados de "cúmplices" e sentenciados a três anos de liberdade condicional, acrescentou a nota. Enquanto isso, dois outros homens acusados foram absolvidos.

No âmbito civil, o Estado chileno deve compensar a família de Rodrigo Rojas e Carmen Quintana com cerca de US$ 680.000.