Topo

Brasil assume presidência rotativa do Mercosul em cúpula na Argentina

17/07/2019 19h21

Santa Fe, Argentina, 17 Jul 2019 (AFP) - Os presidentes do Mercosul celebram sua 54ª cúpula semestral nesta quarta-feira, comprometidos a avançar com seu novo acordo de livre-comércio com a União Europeia, quando o Brasil assume a presidência rotativa do bloco.

O encontro é o primeiro a ser assistido pelo presidente Jair Bolsonaro, que antes de assumir o cargo em janeiro havia avisado que se retiraria do bloco se não obtivesse melhores oportunidades de negócios.

Bolsonaro recebeu do presidente argentino Mauricio Macri a liderança semestral do Mercosul, integrado também por Paraguai e Uruguai, duas semanas depois do anúncio de um pacto com Bruxelas negociado por 20 anos e que vai gerar um mercado de 780 milhões de habitantes.

A cúpula avançou em acordos que influenciarão a vida dos habitantes do bloco. Entre eles, a eliminação da cobrança de "roaming", que permitirá o uso de telefones celulares em todo o bloco sem custos adicionais.

O acordo requer a aprovação dos congressos dos quatro países, mas poderá entrar em vigor conforme for sendo ratificado.

O secretário de Modernização da Argentina, Andrés Ibarra, classificou o passo como histórico. O acordo será obrigatório para as companhias telefônicas.

"O ano que vem será um ano de amadurecimento de todo este processo por parte de todos os países", afirmou Ibarra.

"Vamos simplificar as comunicação tanto para quem viaja na região, quanto para quem vive na zona de fronteira", celebrou Macri.

Além disso, um grupo de especialistas do Mercosul estudará a eventual criação de uma moeda única para o bloco, anunciou o ministro das Finanças argentino, Nicolás Dujovne.

A tarefa foi confiada ao grupo de monitoramento macroeconômico do Mercosul pelos ministros da Economia e presidentes dos bancos centrais do bloco, disse Dujovne.

O velho sonho da moeda única foi retomado no mês passado em Buenos Aires, quando Bolsonaro se reuniu com Macri e informou que havia examinado a unificação das moedas dos dois países.

Nesta quarta-feira, Dujovne destacou que, durante a cúpula, os líderes econômicos do bloco pediram para estudar os passos e as condições para, eventualmente, atingir esse objetivo. O grupo técnico deve avaliar "as vantagens potenciais de uma moeda comum".

Ao assumir a presidência semestral do grupo Bolsonaro acusou o governo de Nicolás Maduro na Venezuela - suspensa do bloco desde 2017 por violar regras de respeito à democracia e compromissos comerciais assumidos - e disse que "não há mais espaço para governos autoritários".

"Como pode um país tão rico chegar onde chegou? E a gente sabe como nasceu, o populismo e a irresponsabilidade e um projeto de poder que não tinha limites", criticou Bolsonaro.

Ao final da reunião, os líderes assinaram uma declaração em que expressaram sua preocupação "pela grave crise que a Venezuela atravessa, que afeta seriamente a situação humanitária e de direitos humanos" e pediram a realização de "eleições presidenciais livres, justas e transparentes" o quanto antes.

Com exceção do Uruguai, os outros três membros do Mercosul, assim como o Chile, que é associado, condenam o governo de Nicolás Maduro e o consideram uma ditadura. A Bolívia, que tenta entrar no Mercosul, apoia Maduro. Seu presidente, Evo Morales, participou desta reunião.

gm/rsr/nn/yow/ll/cc

Mais Internacional