PUBLICIDADE
Topo

Empresas estrangeiras na China vivem "pesadelo logístico" por covid-19

Trabalhadores usando máscaras selecionam ovos em uma fábrica de Rongcheng em meio ao surto de coronavírus - STRINGER
Trabalhadores usando máscaras selecionam ovos em uma fábrica de Rongcheng em meio ao surto de coronavírus Imagem: STRINGER

DA AFP, em Hong Kong

18/02/2020 14h16

Subcontratistas sem trabalhar, funcionários em quarentena, muitas restrições locais e estoques de máscaras insuficientes: as empresas ocidentais na China experimentam um "pesadelo logístico" para retomar sua atividade em um país atingido pelo covid-19.

O feriado do Ano Novo Lunar durou de fato até 10 de fevereiro, mas a economia chinesa ainda está parcialmente paralisada pelas medidas drásticas adotadas para conter a epidemia de pneumonia viral.

Das 109 empresas americanas no leste da China consultadas pela Câmara de Comércio dos EUA em Xangai, dois terços retomaram a produção industrial, mas 78% não têm trabalhadores suficientes para operar suas linhas de produção normalmente.

"Os trabalhadores estão sujeitos a restrições de viagens e quarentena (...) A maioria das fábricas carece de mão-de-obra, mesmo depois de terem sido autorizadas a reabrir", explica Ker Gibbs, presidente da câmara.

Fora da província de Hubei (centro), foco da epidemia e isolada do mundo desde 23 de janeiro, várias cidades impõem regras de confinamento que obrigam seus moradores a permanecerem em suas casas e limitam severamente a circulação.

A capital, Pequim, submete todos os recém-chegados a cerca de 14 dias de quarentena. Por outro lado, 38% das empresas americanas consultadas não têm máscaras faciais suficientes para todos os seus funcionários.

"Em alguns distritos, para poder reiniciar, você precisa de duas máscaras por dia para cada funcionário e duas semanas de estoque", explica Paul Sives, chefe da Câmara de Comércio Europeia para o Sudoeste da China.

"Mas você não consegue encontrar tantas máscaras na China", explica. Muitas empresas compram no exterior, mas o transporte ainda é complicado.

- Depósitos cheios -Às vezes, obter a autorização necessária para retomar a atividade é uma tarefa difícil.

"As regras podem diferir de um distrito para outro. Há um grande acúmulo de pedidos de autorização pendentes e muito pouca informação" sobre o procedimento, lamenta Sives.

E se a produção puder ser retomada, existirão muitos desafios. Antes de tudo, porque um grande número de fábricas de subcontratantes chinesas, que abastecem grupos estrangeiros com uma variedade de componentes, não foi reiniciado

Por exemplo, a gigante automobilística alemã Volkswagen adiou até 24 de fevereiro a reabertura - e a conta-gotas - de suas fábricas em conjunto com a SAIC chinesa, devido aos "desafios em termos de cadeias de suprimentos" e aos "meios limitados de viagem de funcionários ".

"Se os freios estão faltando, você não pode vender um carro! A sincronização dos suprimentos permanece estagnada", disse Joerg Wuttke, presidente da Câmara de Comércio da UE na China, em uma teleconferência nesta terça-feira.

Na sua opinião, restrições de tráfego e medidas de confinamento tomadas localmente complicam o "pesadelo logístico" para garantir suprimentos e garantir entregas aos clientes.

"Se você tiver sorte o suficiente para ter motoristas, lembre-se de que um motorista que deixar Xangai para a província vizinha de Jiangsu ficará em quarentena em seu retorno", sem contar as várias "permissões" locais para a viagem, disse Wuttke.

"Se produz e não entrega, enche seus armazéns. Os estoques de muitas empresas já estão atingindo níveis máximos", explica. E, além disso, o consumo geral na China permanece baixo devido ao fechamento prolongado de shopping centers.

Internacional