PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses
Bolsonaro 'se aproveita' do coronavírus para eliminar indígenas, diz Raoni

O cacique Raoni tem uma longa história de luta pela preservação da floresta e é considerado por outros povos uma liderança - Giovanni Bello/BBC News Brasil
O cacique Raoni tem uma longa história de luta pela preservação da floresta e é considerado por outros povos uma liderança Imagem: Giovanni Bello/BBC News Brasil

Rio de Janeiro

05/06/2020 09h47

O novo coronavírus, que atinge mortalmente o Brasil, não poupa os indígenas da Amazônia em uma pandemia na qual seu porta-voz emblemático, o cacique Raoni, acusa o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de querer "se aproveitar" para eliminar seu povo.

"O presidente Bolsonaro quer aproveitar e está falando que o índio tem que morrer, que os índios têm que acabar", acusa Raoni Metuktire, cacique do povo Kayapó, em entrevista à AFP feita por vídeo de sua aldeia na Amazônia.

Incansável defensor dos direitos de seu povo, o cacique, de 90 anos, não mede as palavras contra o presidente de extrema-direita, cuja saída ele já pediu e que tem feito declarações depreciativas sobre os autóctones.

Enquanto o novo coronavírus deixa mais de 33 mil mortos em todo o Brasil, o presidente Bolsonaro "não pensa em nós, indígenas", critica o cacique.

Raoni menciona "a precariedade do atendimento da saúde" ao seu povo, cuja mortalidade é duas vezes maior que entre o resto da população, afetando crianças, inclusive bebês, em razão de uma imunidade mais frágil.

"Aqui no Brasil, as autoridades nunca pensaram em remover um paciente nosso para ser tratado e curado em hospital de Brasília para depois retornar bem para sua aldeia", prosseguiu o cacique ancião, com seus tradicionais cocar de penas amarelas e disco labial.

"Não sabemos o que eles (em Brasília) pensam de melhorar o atendimento à saúde do povo indígena", insistiu o cacique.

"Não deixo ninguém ir para as cidades"

"Esta doença é muito perigosa. Ela já começou a matar meu povo indígena em cada região", lamentou.

O cacique está confinado na floresta, em sua aldeia de Metuktire, no estado de Mato Grosso.

"Só vou sair da minha aldeia quando normalizar tudo", disse Raoni, que já percorreu o mundo para se reunir com chefes de Estado. "Depois, irei a França vê-los, meus amigos".

"Em me preocupo muito com meu povo agora. Falo muito com meu povo para permanecer aqui dentro da aldeia e não estou deixando ninguém ir para as cidades", explica o cacique, falando em seu idioma kayapó.

"Alguns não me entendem, continuam indo para a cidade, principalmente meus parentes da aldeia Kateté, até que eles levaram a doença para eles mesmos e uns parentes que conheço foram a óbito com essa doença", relatou Raoni.

Na aldeia de Gorotire, no estado do Pará, "essa doença matou cinco pessoas", lamentou o cacique.

A ONG francesa Planète Amazone (Planeta Amazônia) arrecadou dois terços de uma campanha de 60 mil euros para assegurar o confinamento das comunidades indígenas.

Mas após três semanas, dez toneladas de alimentos básicos e produtos de higiene destinadas aos Kayapó estão bloqueadas pelos fornecedores, segundo a Planète Amazone, cujo presidente, Gert-Peter Bruch, denunciou "um excesso criminoso de burocracia". Com a falta de produtos, os indígenas precisam ir até as cidades se abastecer.

Da mesma forma, o fornecimento de medicamentos pelas ONGs a indígenas foi complicado por uma circular de Brasília, em 20 de maio.

Segundo a Associação de Povos Indígenas do Brasil (APIB), ao menos 211 indígenas morreram de coronavírus de um total de 2.178 contágios.

Delimitação de terras

A pandemia impediu Raoni de ir a Brasília para defender outra causa essencial dos indígenas: a delimitação de suas terras.

O cacique queria se reunir com o presidente da Funai (Fundação Nacional do Índio).

Uma instrução normativa editada recentemente pela Funai autoriza com efeito imediato o desmonte de 237 terras indígenas que não tinham sido ainda delimitadas por decreto presidencial.

Tratam-se de terras do tamanho do território de Portugal, que podem ser ocupadas e desmembradas.

"Não! Isso não pode acontecer!", insurge-se o cacique. "Nossa terra não pode ser ocupada pelos invasores", fazendeiros, madeireiros e garimpeiros ilegais.

"Ele, como presidente", prosseguiu, referindo-se a Bolsonaro, "tem que demarcar as terras que ainda não foram demarcadas para que meu povo possa ali viver e se sentir bem".

"A Funai é nossa. Como órgão, não pode falar contra os indígenas (...). Tem que fazer seu trabalho e fazer demarcar terras indígenas que ainda não estão demarcadas".

Cotidiano