PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Trump deportou venezuelanos por meio de países terceiros, diz senador

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tira a máscara para discursar em evento na Casa Branca - Mandel Ngan/AFP
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tira a máscara para discursar em evento na Casa Branca Imagem: Mandel Ngan/AFP

16/10/2020 20h42

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, deportou venezuelanos por meio de países terceiros - depois de proibir todos os voos vindo da Venezuela ou com destino a esse país - por motivos de segurança, denunciou um senador de alto escalão dos EUA nesta sexta-feira (16).

Bob Menéndez, o principal representante dos democratas no Comitê de Relações Exteriores do Senado, afirmou que o governo Trump continuou a deportar cidadãos à Venezuela "clandestinamente" até ao menos março deste ano, apesar da suspensão de voos diretos para o país caribenho desde maio de 2019.

"Está claro que os voos de deportação indireta dos Estados Unidos para a Venezuela não pararam por muitos meses, depois que a Federal Aviation Administration (FAA) suspendeu o transporte aéreo de passageiros de ou para qualquer aeroporto da Venezuela em 15 de maio de 2019", ressaltou Menéndez.

Entre janeiro e março deste ano, as deportações ocorreram por meio de Trinidad e Tobago, e antes ao menos pelo Panamá, contou o representante em uma carta às Secretarias de Estado, Transporte e Segurança Interna.

No documento, Menéndez solicita, entre outras informações, o número total de deportações e quantas pessoas foram devolvidas apenas por crimes referentes à imigração.

O senador, eleito por Nova Jersey, lembrou que o governo venezuelano de Nicolás Maduro recebeu destaque em um relatório da ONU por ter cometido "graves abusos que equivalem a crimes contra a humanidade" desde 2014.

"Dadas as terríveis condições humanitárias e atrocidades causadas pela brutal ditadura de Maduro, as deportações dos EUA ameaçam seriamente a vida e a liberdade dos venezuelanos que retornam", ressaltou.

Menéndez, filho de pais cubanos, também lamentou que o governo Trump se negue a conceder aos venezuelanos o Status de Proteção Temporária (TPS)- mecanismo criado para fins humanitários na década de 1990 - para que permaneçam legalmente nos Estados Unidos.

Em setembro, pela quinta vez desde o início de 2019, os republicanos que controlavam o Senado bloquearam a legislação para conceder o TPS a cerca de 200.000 venezuelanos.

O democrata Joe Biden, que lidera as pesquisas para as eleições de 3 de novembro, acusou Trump de fracassar com os venezuelanos por não lhes conceder o TPS e deportá-los "sem piedade".

Desde que Maduro assumiu um segundo mandato no último ano, a Venezuela está mergulhada em uma grave crise política.

Nação de 30 milhões de habitantes, a potência petrolífera também vive um colapso econômico que se agravou desde a chegada do presidente ao poder, em 2013, situação que levou à saída de mais de cinco milhões de pessoas do país, segundo a ONU.

Internacional