PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA ressaltam seu apoio 'sólido como uma rocha' a Taiwan

Joe Biden  - Reprodução / Internet
Joe Biden Imagem: Reprodução / Internet

Da AFP, em Washington (EUA)

24/01/2021 12h19

O compromisso dos Estados Unidos com Taiwan é "sólido como uma rocha" - declarou o governo americano na noite de hoje, depois de vários aviões chineses terem entrado no espaço aéreo da ilha horas antes.

Essas declarações são as primeiras sobre Taiwan desde a posse do novo presidente dos EUA, Joe Biden, esta semana.

O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, disse em um comunicado que "observa com preocupação a tendência atual da RPC (República Popular da China) de intimidar seus vizinhos, incluindo Taiwan", e exortou "Pequim a cessar suas pressões militares, diplomáticas e econômicas" contra a ilha.

Taiwan se separou da China no final da guerra civil em 1949. Seus 23 milhões de habitantes vivem sob ameaça constante de uma invasão da China continental, cujos dirigentes consideram a ilha como parte de seu território.

Apesar de seus laços diplomáticos com Pequim, Washington é o maior apoio militar de Taipei.

A China, que se opõe aos demais países que mantêm relações oficiais com Taiwan, tenta isolar a ilha no âmbito diplomático.

O ex-presidente dos EUA Donald Trump reforçou os contatos com Taipei durante sua queda de braço diplomática e comercial com a China.

O gigante asiático mostrou seu desejo de trilhar um novo caminho nas relações bilaterais com o governo Biden. Na quinta-feira, Pequim pediu a Washington que "lide com os problemas relacionados com Taiwan de forma cautelosa e apropriada para evitar prejudicar as relações entre China e Estados Unidos".

Biden deve manter, no entanto, uma linha dura em relação a Pequim, já que a proteção de Taiwan conta com forte apoio entre democratas e republicanos nos Estados Unidos.

No ano passado, a aviação chinesa 380 vezes na zona de defesa aérea de Taiwan, um recorde, e essa tendência parece continuar após a chegada ao poder do democrata Joe Biden.

De acordo com o Ministério da Defesa de Taiwan, 13 aviões chineses, incluindo oito bombardeiros e cinco caças, penetraram sua zona de defesa aérea no sábado.

O jornal americano The New York Times informou que a China também enviou 15 aviões, incluindo 12 caças, para esta zona neste domingo.

O Ministério das Relações Exteriores de Taiwan agradeceu aos Estados Unidos por seu apoio, "apesar das pressões atuais de Pequim".

Em um sinal da manutenção desse apoio, a representante de Taiwan nos Estados Unidos foi oficialmente convidada para a cerimônia de posse de Biden, pela primeira vez desde que Washington decidiu, em 1979, reconhecer a autoridade de Pequim.

A Chancelaria de Taiwan disse que foi a primeira vez, em décadas, que o comitê organizador da cerimônia de posse "convidou formalmente" um enviado taiwanês.

Internacional