PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Putin promulga lei que abre caminho para exclusão de opositores

Arquivo - Presidente russo promulgou lei que proíbe colaboradores de organizações "extremistas" de participar de eleições - Sputnik/Alexei Druzhinin/Kremlin
Arquivo - Presidente russo promulgou lei que proíbe colaboradores de organizações "extremistas" de participar de eleições Imagem: Sputnik/Alexei Druzhinin/Kremlin

Em Moscou

04/06/2021 06h56Atualizada em 04/06/2021 07h53

O presidente russo Vladimir Putin promulgou, hoje, a lei que proíbe colaboradores de organizações "extremistas" de participar de eleições, medida condenada pela oposição, que a vê como um meio de silenciá-la antes das eleições legislativas de setembro.

A lei, aprovada pelos deputados em maio e na quarta-feira pelos senadores do Conselho da Federação, foi promulgada nesta sexta por Vladimir Putin, segundo documento publicado no site oficial das legislações russas.

Esta nova lei é vista pelos críticos do governo como uma nova ferramenta que tem como alvo os partidários do opositor preso Alexei Navalny.

A Promotoria pediu à Justiça que classifique essas organizações como "extremistas", porque elas planejam "desestabilizar a situação social" na Rússia.

Há poucas dúvidas sobre onde terminará este processo, já que a rede de escritórios regionais do ativista foi classificada como "extremista" pelos serviços financeiros reguladores.

A equipe de Navalny denunciou o desejo do Kremlin de neutralizar seu movimento e de silenciá-lo antes das eleições de 19 de setembro, em um momento em que o partido no poder, Rússia Unida, cai nas pesquisas de intenção de voto, apesar da popularidade de Putin. Seu declínio se deve fundamentalmente à situação financeira complicada e aos múltiplos escândalos de corrupção.

A pressão contra as vozes críticas aumentou nos últimos dias entre os adeptos de Navalny, preso desde janeiro e com a perspectiva de ter que passar dois anos na prisão.

Vários críticos do poder russo foram alvos de operações policiais nos últimos dias e um deles, Andrei Pivovarov, que dirigia a organização Rússia Aberta - ligada ao oligarca no exílio Mikhail Khodorkovsky -, foi detido e colocado sob custódia por dois meses.

Alexei Navalny foi preso ao retornar à Rússia em janeiro, após meses de convalescença devido a um envenenamento atribuído por ele ao Kremlin.

O opositor foi então condenado a dois anos e meio de prisão em um caso que data de 2014, e que ele denuncia como político.

Ele fez uma greve de fome de 24 dias em abril para denunciar suas condições de detenção em uma colônia penal.

O adversário, que completa 45 anos hoje, disse em mensagem postada no Instagram que agradece "sinceramente a todas as pessoas que me cercam e me apoiam", e garantiu manter o moral.

"Espero poder dizer hoje que o meu sucesso do ano é que me mantenho longe do estado de espírito de uma 'fera em uma gaiola'", acrescentou, referindo-se à sua detenção e "às muitas coisas estranhas que me aconteceram durante o ano".

Internacional