PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
15 dias

Premiê húngaro justifica lei polêmica e diz ser defensor dos homossexuais

"Eu defendo os direitos dos homossexuais. Mas esta lei não é sobre isso", afirmou Orbán - Gabriel Kuchta/Getty Images
"Eu defendo os direitos dos homossexuais. Mas esta lei não é sobre isso", afirmou Orbán Imagem: Gabriel Kuchta/Getty Images

Em Bruxelas

24/06/2021 09h20

O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, defendeu hoje a polêmica legislação adotada em seu país contra a comunidade LGBT, mas disse ser um defensor dos "direitos dos homossexuais", ao chegar a Bruxelas para uma cúpula da UE (União Europeia).

"Eu defendo os direitos dos homossexuais. Mas esta lei não é sobre isso. É sobre o direitos dos menores de idade e dos pais. Não é sobre a homossexualidade, nem qualquer interferência sexual. Não é sobre homossexuais", afirmou Orbán, acrescentando que não recuará.

"A lei já foi anunciada e já foi publicada", completou.

A nova normativa húngara veta a "promoção de uma identidade de gênero diferente da do nascimento, mudança de sexo e homossexualidade" para pessoas menores de 18 anos.

Ontem, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a lei é "uma vergonha", porque "claramente discrimina as pessoas com base em sua orientação sexual. E faz isso contra valores fundamentais da União Europeia".

Sem fazer uma menção direta à Hungria e à nova legislação, os líderes de vários países europeus divulgaram uma declaração conjunta hoje, pedindo respeito dos "direitos fundamentais" da comunidade LGBT.

No texto, os líderes europeus se referem a "ameaças aos direitos fundamentais e, em particular, ao princípio de não discriminação com base na orientação sexual".

Internacional