PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
2 meses

França investigará caso de espionagem israelense Pegasus contra jornalistas

Instalado em um celular, o programa Pegasus permite recuperar mensagens de texto, fotos, contatos e até ouvir as conversas de seu proprietário - Darwin Lagazon/ Pixabay
Instalado em um celular, o programa Pegasus permite recuperar mensagens de texto, fotos, contatos e até ouvir as conversas de seu proprietário Imagem: Darwin Lagazon/ Pixabay

Da AFP, em Paris

20/07/2021 07h16Atualizada em 20/07/2021 07h27

O Ministério Público de Paris anunciou hoje a abertura de uma investigação sobre a espionagem de jornalistas franceses, cujos telefones foram violados pelo software israelense Pegasus, conforme revelado no domingo (18) por um consórcio de mídia.

Esta investigação abrange uma lista de dez crimes, incluindo "violação de privacidade", "intercepção de correspondência", "acesso fraudulento" a um sistema informático e "associação de criminosos".

A ação responde a uma denúncia apresentada pelo portal Mediapart, que teve dois de seus jornalistas espionados, e à qual se somou a do semanário satírico Le Canard Enchaîné.

Vários veículos de comunicação, entre eles os jornais Le Monde (francês), The Guardian (britânico) e The Washington Post (britânico), revelaram no domingo que o fundador do Mediapart, Edwy Plenel, e a jornalista desse portal Lénaïg Bredoux foram espionados pelos serviços secretos marroquinos.

Já no semanário Le Canard Enchaîné, a jornalista afetada teria sido sua ex-colaboradora Dominique Simonnot.

Instalado em um celular, o programa Pegasus da empresa NSO Group permite recuperar mensagens de texto, fotos, contatos e até ouvir as conversas de seu proprietário.

Segundo uma investigação jornalística publicada no domingo por 17 meios de comunicação internacionais, 50 mil números de telefone selecionados por clientes do NSO desde 2016 foram alvo de possível espionagem.

A lista inclui os números de 180 jornalistas, 600 políticos, 85 militantes defensores dos direitos humanos, ou 65 empresários, conforme a investigação realizada por Le Monde, The Guardian, The Washington Post, pelos veículos mexicanos Proceso e Aristegui Noticias, entre outros.

Internacional