PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Haiti: Promotor quer investigar primeiro-ministro por morte de presidente

Jovenel Moise, então presidente do Haiti, durante Assembleia Geral da ONU em 2018 - TIMOTHY A. CLARY/AFP
Jovenel Moise, então presidente do Haiti, durante Assembleia Geral da ONU em 2018 Imagem: TIMOTHY A. CLARY/AFP

14/09/2021 16h17

O promotor-chefe do Haiti pediu nesta terça-feira (14) ao juiz que investiga o assassinato do presidente Jovenel Moise que apresente acusações contra o primeiro-ministro Ariel Henry, devido a supostos telefonemas que ele teve com um dos principais suspeitos do crime.

Bed-Ford Claude, comissário do governo de Porto Príncipe, figura equivalente à de promotor, também solicitou que Henry fosse proibido de deixar o território haitiano "devido à gravidade dos fatos expostos".

Moise foi assassinado em 7 de julho por um comando armado em sua casa em Porto Príncipe.

"Existem elementos comprometedores suficientes que formam a (minha) convicção sobre a oportunidade de imputar o Sr. Henry e solicitar sua acusação pura e simples", disse o promotor em uma carta endereçada ao tribunal de primeira instância em Porto Príncipe.

Em uma segunda nota, dirigida ao diretor de migração, o comissário do governo justifica a medida de proibir Henry de deixar o país, apontando as "graves presunções de assassinato do presidente da República".

Na sexta-feira à noite, Bed-Ford Claude já havia convidado o chefe do governo a comparecer perante a promotoria. O promotor afirmou que Henry, poucas horas depois do assassinato de Moise, conversou por telefone com uma das pessoas ativamente procuradas no contexto da investigação.

Trata-se de Joseph Félix Badio, ex-figura da unidade anticorrupção do Ministério da Justiça, que teria sido geolocalização no bairro onde ficava a residência particular de Moise pelas ligações feitas a Ariel Henry em 04h03 e depois às 04h20 da manhã do ataque.

No sábado, Henry denunciou as "manobras de distração" do promotor.

"Manobras de distração para criar confusão e impedir que a justiça faça seu trabalho com calma não serão aprovadas", disse Henry.

"Os verdadeiros culpados, os autores intelectuais e os patrocinadores do assassinato hediondo do presidente Jovenel Moise serão encontrados, levados à justiça e punidos por seu crime", acrescentou.

Quarenta e oito pessoas, incluindo 18 colombianos e dois americanos de origem haitiana, foram presas no contexto da investigação do assassinato de Moise, morto a tiros em sua residência sem que nenhum dos membros de sua guarda particular fosse ferido.

Internacional