PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

Forças francesas matam líder do grupo Estado Islâmico no Grande Saara, anuncia Macron

Macron em evento oficial - Getty Images
Macron em evento oficial Imagem: Getty Images

AFP

16/09/2021 00h44

O líder do grupo extremista Estado Islâmico no Grande Saara, Adnan Abu Walid al Sahraoui, foi "neutralizado" pelas forças francesas, anunciou o presidente francês, Emmanuel Macron, pelo Twitter, na madrugada de quarta para quinta-feira (hora local, noite de quarta, 15, no Brasil).

"Adnan Abu Walid al Sahraoui, chefe do grupo terrorista do Estado Islâmico no Grande Saara, foi neutralizado pelas forças francesas", anunciou Macron.

O Palácio do Eliseu informou que o líder deste grupo, considerado o responsável pela maioria dos ataques no Mali, no Níger e em Burkina Faso, estava "morto".

"Trata-se de um novo grande sucesso no combate contra os grupos terroristas no Sahel", disse Macron.

De acordo com a ministra da Defesa francesa, Florence Parly, o líder do Estado Islâmico no Grande Saara (EIGS) "morreu após um ataque da força Barkhane", uma operação anti-jihadista implantada pela França na área.

Fundado em 2015 por Walid al Sahraoui, ex-membro da Frente Polisário no Saara e do movimento Al-Qaeda do Magrebe Islâmico, o grupo EIGS foi identificado pela França como um "inimigo prioritário" no Sahel.

A região é cenário habitual das ações de dois grupos extremistas: o EIGS e o Grupo de Apoio ao Islã e os Muçulmanos, vinculado à Al-Qaeda.

O EIGS cometeu ataques particularmente mortais contra civis e militares na conhecida "zona das três fronteiras".

Em 9 de agosto de 2020, no Níger, o líder do grupo ordenou pessoalmente o assassinato de seis trabalhadores humanitários franceses e do guia e do motorista nigerinos que os acompanhavam.

Em junho e julho, o exército francês matou ou capturou diferentes altos dirigentes do braço do EIGS.

Depois de oito anos de importantes vínculos com o Sahel, o presidente Macron anunciou em junho uma redução da presença militar francesa na zona e o fim da operação antijihadista Barkhane.

Internacional