PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
2 meses

Talibã prende 600 membros do Estado Islâmico no Afeganistão e descarta 'grande ameaça'

O braço do EI no Afeganistão "está mais ou menos sob nosso controle", diz o porta-voz do Talibã - Hoshang Hashimi/AFP
O braço do EI no Afeganistão "está mais ou menos sob nosso controle", diz o porta-voz do Talibã Imagem: Hoshang Hashimi/AFP

Em Cabul

10/11/2021 11h55

Autor de vários ataques sangrentos no Afeganistão, o grupo jihadista EI (Estado Islâmico) está "mais ou menos sob controle" e "não é uma grande ameaça" - disse o governo talibã hoje, acrescentando que, desde agosto, prendeu 600 de seus membros, ou supostos simpatizantes.

O braço do EI no Afeganistão, o EI-K (Estado Islâmico Khorasan), "está mais ou menos sob nosso controle" e "não é uma grande ameaça", disse o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, em uma entrevista coletiva em Cabul.

Nos últimos meses, "cerca de 600 pessoas foram detidas por pertencerem ao grupo", acrescentou.

"Não há muitos no Afeganistão, porque não contam com o apoio do povo", completou o porta-voz, especificando que as forças do novo governo continuam sua perseguição.

Há algumas mulheres entre os detidos em todo país desde o retorno dos talibãs ao poder, em meados de agostos. Elas serão interrogadas "por mulheres", frisou.

Ele considerou ainda que, diferentemente do Oriente Médio, o EI-K é integrado, principalmente, por combatentes locais e sua presença no Afeganistão não constitui uma ameaça para outros países.

Inicialmente leal a Abu Bakr al Baghdadi, líder do "califado" do EI no Iraque e na Síria, o Estado Islâmico Khorasan recuperou seu vigor no Afeganistão nos últimos meses, depois de parecer quase eliminado no final de 2019.

Surgido em 2014, o EI-K está presente, sobretudo, no leste do país. Assumiu a responsabilidade por uma onda de ataques recentes em várias grandes cidades afegãs, apresentando-se como o principal rival do Talibã desde sua volta ao poder.

Seus atentados acontecem no momento em que os talibãs desejam ter seu governo reconhecido e apoiado financeiramente pela comunidade internacional. Esta, por sua vez, espera que eles erradiquem a ameaça terrorista em casa e impeçam que se espalhe para o exterior.

"Nós nos comprometemos com outros países, incluindo os Estados Unidos, que o solo afegão não seja usado contra ninguém", frisou Mujahid.

Um dos últimos ataques do EI-K, cometido no início de novembro no Hospital Militar Nacional de Cabul, deixou pelo menos 19 mortos e 50 feridos.

Internacional