PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
4 meses

Comissão do Congresso americano que investiga ataque ao Capitólio pede depoimento de Ivanka Trump

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com filha Ivanka Trump, na Casa Branca, em Washington - Carlos Barria/Reuters
Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, com filha Ivanka Trump, na Casa Branca, em Washington Imagem: Carlos Barria/Reuters

20/01/2022 17h57

Washington, 20 Jan 2022 (AFP) - A comissão do Congresso americano que investiga o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio pediu nesta quinta-feira (20) à filha e então assessora do ex-presidente Donald Trump que colabore voluntariamente com a pesquisa.

Em carta que marca um momento importante da investigação dentro do círculo íntimo de Trump, a comissão especial indicou a Ivanka Trump que conta com evidências de que ela havia implorado a seu pai que convocasse seus apoiadores a pôr fim à violência naquele dia.

"O depoimento obtido pelo comitê indica que membros da equipe da Casa Branca solicitaram a sua ajuda em várias ocasiões para intervir, em uma tentativa de persuadir o presidente Trump a abordar a anarquia e violência em curso no Capitólio", escreveu a ela o presidente da comissão, Bennie Thompson.

A comissão já emitiu intimações para várias figuras-chave do círculo de Trump, incluindo o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, e o ex-estrategista da Casa Branca Steve Bannon.

As ações de Ivanka Trump durante os distúrbios são uma "peça-chave" para a investigação, destacou o painel, acrescentando que a filha de Trump teria conhecimento direto da tentativa de seu pai de persuadir o então vice-presidente, Mike Pence, a interromper a apuração dos votos eleitorais.

"Uma das conversas do presidente com o vice ocorreu por telefone na manhã de 6 de janeiro. A senhora estava presente no Salão Oval e testemunhou pelo menos um lado dessa conversa telefônica", afirma a carta.

A comissão assinalou em comunicado que também espera contar com a versão de Ivanka sobre as preocupações manifestadas por advogados da Casa Branca, legisladores e assessores de Pence com os planos para pressionar o vice-presidente a revogar as eleições.

Internacional