Central de Zaporizhzhia esteve 'à beira de acidente nuclear' por corte de abastecimento, diz Ucrânia

A central nuclear ucraniana de Zaporizhzhia, que está em poder dos russos, esteve "à beira de um acidente nuclear" durante a noite, indicou neste sábado(2) a operadora ucraniana Energoatom. O risco se deu por conta de um corte temporário do abastecimento elétrico à usina, segundo a empresa estatal.

"Ontem à noite houve um apagão total na usina de Zaporizhzhia", disse a Energoatom no Telegram, acrescentando que o fornecimento foi restabelecido algumas horas mais tarde.

A administração russa da usina reconheceu que o abastecimento elétrico externo foi interrompido, mas assegurou que não houve "nenhuma violação" de suas "condições seguras de exploração".

O nível de radiação no local da usina é considerado "normal", indicou também no Telegram.

Duas linhas de energia que alimentavam a usina "foram cortadas", uma delas devido a "um ataque aéreo", detalhou a operadora. 

Mas tarde, o abastecimento foi restabelecido, embora o incidente tenha colocado em risco o bom funcionamento da usina, disse a Energoatom, tanto que esteve "à beira de um acidente nuclear e de radiação". 

Em comunicado, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) indicou que a central ficou "temporariamente privada de eletricidade durante a noite", e que foi o oitavo corte de energia deste tipo desde o início da invasão russa, em fevereiro de 2022.

A usina nuclear de Zaporizhzhia, localizada no sul da Ucrânia, foi tomada pelos russos logo após o início da invasão em fevereiro de 2022.

A central já foi alvo de disparos e sofreu cortes da rede elétrica em muitas ocasiões, uma situação precária que levanta temores internacionais de um possível acidente nuclear de grandes proporções.

Continua após a publicidade

O corte em um das duas linhas de abastecimento parece relacionado a um incidente ocorrido "longe da usina", disse a AIEA.

"O novo corte externo de abastecimento reforça mais uma vez a precariedade da segurança nuclear e da própria segurança da usina, que pode ser afetada por incidentes muito distantes da instalação", afirmou o diretor da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, citado no comunicado.

"As forças de ocupação (russas) não se preocupam com a segurança da central nuclear", acusou o presidente da empresa estatal, Petro Kotin.

"Continuarão criando situações perigosas, chantageando o mundo inteiro" com o risco de "um acidente nuclear", acrescentou o executivo.

bur-led/hgs-avl/jvb/jc

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora