Supremo autoriza Itália a verificar condições de Pizzolato na prisão

André Richter - Repórter da Agência Brasil

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supemo Tribunal Federal (STF), autorizou a entrada de um médico representante do governo da Itália no presídio da Papuda, no Distrito Federal, para avaliar as condições de saúde do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

A entrada foi autorizada após a Justiça do Distrito Federal ter negado a entrada do médico na penitenciária para acompanhar Pizzolato, que reclama da falta de atendimento médico adequado. A afirmação do condenado é contestada pela Vara de Execuções Penais (VEP), cujo juízo garante a regular oferta de atendimento.

O oferecimento de boas condições na prisão foi acertado entre o governo brasileiro e italiano como condição necessária para autorizar a extradição de Pizzolato para o Brasil.

Extradição

Pizzolato, que tem cidadania italiana, foi extraditado em outubro do ano passado. Em agosto de 2012, ele foi condenado pelo Supremo por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro no julgamento da Ação Penal 470. Para evitar ser preso, ele fugiu para a Itália com o passaporte falso de um irmão morto.

No dia 5 de fevereiro de 2014, Pizzolato foi preso na cidade italiana de Maranello por porte de documento falso.

Henrique Pizzolato chegou a ser solto em outubro do mesmo ano pela Justiça da Itália, mas, em fevereiro do ano passado, após recurso apresentado pelo Brasil, a extradição foi autorizada e ele voltou à prisão. No dia 24 de abril de 2015, a Justiça italiana confirmou a decisão de extraditá-lo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos