PUBLICIDADE
Topo

Vale conclui descaracterização da 1ª barragem das nove prometidas

Bombeiro acompanha família na zona quente em Brumadinho (MG), em frente ao que restou da barragem B1 da vale que se rompeu em 25 de janeiro - Luciana Quierati/UOL
Bombeiro acompanha família na zona quente em Brumadinho (MG), em frente ao que restou da barragem B1 da vale que se rompeu em 25 de janeiro Imagem: Luciana Quierati/UOL

06/12/2019 18h59

A Vale concluiu a descaracterização da barragem 8B, localizada na Minas de Águas Claras, em Nova Lima (MG). Segundo a mineradora, a estrutura operou de 1974 a 2002 e estava inativa desde então. A capacidade de armazenamento era de 300 mil metros cúbicos.

A descaracterização é um processo que encerra em definitivo o uso de uma barragem, que deve ser estabilizada e reincorporada ao relevo e ao meio ambiente. As obras na 8B tiveram início em 17 de maio.

"O objetivo é que nos próximos três anos todas estejam descaracterizadas ou com o fator de segurança adequado, sem oferecer risco às comunidades e municípios localizados abaixo das estruturas e ao meio ambiente", informou a mineradora.

É a primeira das nove barragens cuja descaracterização foi prometida pela Vale quatro dias após a tragédia de Brumadinho (MG). Na ocasião, uma de suas estruturas na Mina Córrego de Feijão se rompeu causando mais de 250 mortes.

Todas as nove barragens a serem descaracterizadas foram construídas pelo método de alteamento a montante, o mesmo associado ao episódio de Brumadinho. Era também o método usado na estrutura que se rompeu em novembro de 2015 na cidade de Mariana (MG).

A lama que vazou da barragem da Samarco, joint-venture das mineradoras Vale e da BHP Billiton, levou 19 pessoas à morte e causou impactos em dezenas de municípios na bacia do Rio Doce.

As outras oito barragens incluídas no pacote para descaracterização são: Sul Superior, em Barão de Cocais (MG); Vargem Grande, Fernandinho e B3/B4, em Nova Lima (MG); Grupo, Forquilha I, Forquilha II e Forquilha III, em Ouro Preto (MG). Quatro delas, estão em nível 3, que é o alerta máximo e significa risco iminente de ruptura, levando a necessidade de evacuar áreas que seriam alagadas.

Devido à situação, estão sendo construídas algumas barreiras de contenção para reforçar a segurança em caso de rompimento.

Segundo a Vale, o orçamento de todas obras de descaracterização e de contenção estão orçadas é de R$ 8,6 bilhões.

Vegetação

Após as intervenções feitas na Mina de Águas Claras, a mineradora refez a vegetação de 12,7 mil metros quadrados, usando espécies nativas da Mata do Jambreiro, reserva de proteção permanente que existe na região.

A descaracterização ainda precisa ser avaliada e aprovada por órgãos ambientais estaduais e pela Agência Nacional de Mineração (ANM). Alguma medida adicional pode ser requisitada. Paralelamente, obras preliminares, com o objetivo de rebaixar o nível de água, já estão em curso em outras estruturas.

Meio Ambiente