PUBLICIDADE
Topo

Rodízio em SP teria que ser muito 'drástico', diz diretor da Sabesp

Em São Paulo

27/01/2015 12h16

O diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato, afirmou nesta terça-feira (27) que é possível chegar a um rodízio na região metropolitana de São Paulo e que esse racionamento teria que ser "drástico".

"Para fazer rodízio, teria que ser muito pesado, muito drástico. Para ganhar mais do que já economizamos hoje, seriam necessários dois dias com água e cinco dias sem água", afirmou, durante o anúncio da ampliação da adutora Guaratuba para o sistema Alto Tietê, evento que contou com a participação do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Massato afirmou que o rodízio pode ocorrer se os órgãos reguladores acharem necessário e "se não chover". "Nossa engenharia está correndo contra o relógio. Estamos batendo novos recordes de baixas precipitações", disse Massato.

Segundo ele, a Sabesp não pretende usar a terceira cota do volume morto do Sistema Cantareira. "Pretendemos não usar, vamos correr com as obras", disse.

Redução de pressão

Massato afirmou também que a Sabesp está ampliando o período de queda de pressão nas tubulações que atendem a região metropolitana de São Paulo.

"Estamos deixando de fazer operação só noturna para fazer também a diurna. Isso atinge toda a região metropolitana", afirmou. Segundo ele, "nunca foi necessário" informar a população da redução de pressão, mas agora, com a ampliação do período, a Sabesp informa os horários em seu site.

Massato explicou que a redução é diferente para cada área da região metropolitana. "A redução hoje é variável, cada setor tem uma regra diferente", disse.

No evento, Alckmin afirmou que a válvula redutora de pressão da Sabesp existe há pelo menos 15 anos.

"O mundo inteiro tem, para evitar perdas. Mas o período de redução da pressão era mínimo", afirmou. Segundo ele, a medida, tomada há um ano, evita contaminação, canos estourados e perdas maiores.