PUBLICIDADE
Topo

Agência estadual isenta Sabesp por redução de pressão

Em São Paulo

08/04/2015 10h06Atualizada em 08/04/2015 10h51

Análise técnica feita pela agência fiscalizadora isenta a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) de distribuir água na região metropolitana com pressão abaixo do definido por norma, conforme o jornal "O Estado de S. Paulo" revelou em 7 de fevereiro.

Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas, a pressão mínima na rede pública de distribuição deve ser de 10 metros de coluna d’água (mca), índice que indica a altura que a água alcança na tubulação.

Com o racionamento feito pela Sabesp por meio da redução da pressão e do fechamento manual da rede, a pressão cai para até 1 mca, segundo admitiu o diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato, no dia 25 de fevereiro, na CPI da Câmara Municipal. Até então, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) afirmava que a empresa cumpria "rigorosamente" a norma.

Para a Arsesp (Agência Reguladora de Saneamento e Energia de São Paulo), controlada pelo governo Alckmin, pressões da água inferiores à mínima "podem ser aceitas desde que justificadas técnica e economicamente", como "com as restrições atuais da crise hídrica".

"Importante destacar que a manutenção das redes pressurizadas, mesmo em patamares mínimos até 1 mca, evita a entrada de materiais estranhos na rede que poderiam comprometer a qualidade da água distribuída à população", destaca a Arsesp.

Em entrevista ao jornal "O Estado de S. Paulo" em fevereiro, um dirigente da Sabesp disse que o fechamento manual da rede pode acabar "despressurizando pontos mais altos" da cidade, o que eleva o risco de contaminação da água por infiltração. A Arsesp disse que ainda fará neste mês fiscalização de campo para ver se há despressurização na rede da Sabesp. Já a estatal informou que nos locais onde não há Válvula Redutora de Pressão (VRP) instalada - 55% da rede - é feito "fechamento parcial dos registros, mantendo-se a pressurização mínima na rede".