Doleiro de Cunha está disposto a fazer delação premiada

Em São Paulo e em Brasília

  • Lula Marques/Folhapress

    Lúcio Bolonha Funaro, corretor de câmbio, tido como "operador" de Eduardo Cunha

    Lúcio Bolonha Funaro, corretor de câmbio, tido como "operador" de Eduardo Cunha

O lobista Lúcio Bolonha Funaro, preso nesta sexta-feira (1º) na Operação Lava Jato, está disposto a fazer uma delação premiada. No início da semana, Funaro comunicou ao seu advogado que iria procurar o criminalista Antonio Figueiredo Basto, especialista em acordos de colaboração.

Lúcio Funaro é amigo do presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os dois atuam em parceria há muitos anos.

A nova etapa da Lava Jato tem origem em duas delações premiadas: a do ex-vice-presidente da Caixa Fábio Cleto e a do ex-diretor de Relações Institucionais do Grupo Hypermarcas Nelson Mello. Os delatores citam Lúcio Funaro.

Em delação, Fabio Cleto afirmou, por exemplo, que Eduardo Cunha ficou com 1% de negócio de R$ 940 milhões aprovado pelo FI-FGTS com a empresa Eldorado, do Grupo JBS.

Negócios de interesse do PT

Nos depoimentos de delação premiada, Cleto também disse que Cunha decidia quais empresas deveriam receber aportes do Fundo de Investimento do FGTS. Ao tomar conhecimento dos valores pleiteados pelas companhias, explicou o colaborador, o deputado indicava quais lhe interessavam e pedia que Cleto trabalhasse para aprová-los.

Conforme fonte com acesso às investigações relatou à reportagem, Cunha mandava reprovar os investimentos que fossem de interesse do PT. Nesses casos, a ordem do deputado seria para "melar" os aportes.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos