Topo

Operação prende 2 agentes da PF e 2 advogados em caso sobre irmã de Aécio

Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Escobar, em Minas  - Marivaldo Oliveira 4.jul.2018 /Código 19/Estadão Conteúdo
Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Escobar, em Minas Imagem: Marivaldo Oliveira 4.jul.2018 /Código 19/Estadão Conteúdo

Pepita Ortega, Julia Affonso e Fausto Macedo

São Paulo

05/06/2019 13h26

A Polícia Federal deflagrou hoje (5) a Operação Escobar para combater um esquema de corrupção ativa, corrupção passiva, organização criminosa, obstrução de justiça e violação de sigilo funcional, em Minas Gerais.

A investigação cita Andrea Neves, irmã do deputado Aécio Neves (PSDB-MG), como suposta beneficiária de informações privilegiadas cedidas por agentes da corporação a advogados.

A Escobar é desdobramento da Operação Capitu, investigação sobre suposto esquema de corrupção no Ministério da Agricultura no governo Dilma. Em novembro de 2018, a Capitu apreendeu documentos na residência de Andrea, em Belo Horizonte.

A PF prendeu hoje quatro investigados --três mandados de prisão preventiva e um de prisão temporária. Os agentes cumpriram sete mandados judiciais de busca e apreensão nos escritórios dos advogados Ildeu da Cunha Pereira e Carlos Alberto Arges Júnior.

Também foi apreendido o celular de Sanzio Baioneta Nogueira, defensor de Andrea Neves. Os agentes também cumpriram mandados de intimação para que "possíveis envolvidos prestem esclarecimentos".

De acordo com a PF, a investigação teve início após a apreensão, "na casa de investigados", de documentos sigilosos e internos da Polícia Federal, quando do cumprimento de mandados da Operação Capitu, em novembro de 2018.

"Feitos os levantamentos e inúmeras diligências, foi possível constatar que advogados teriam cooptado servidores desta instituição, no intuito de obter, de forma ilegal, acesso a informações sigilosas ligadas a investigações em andamento nesta superintendência", informou a Polícia Federal.

Segundo a investigação, os advogados com "acesso privilegiado às informações usavam tal artifício para oferecer a seus clientes facilidades ilegais".

Na avaliação dos federais, "tal atitude não só prejudica investigações como coloca em risco a segurança dos policiais envolvidos nos trabalhos".

Sobre a prisão de seus dois agentes, a Polícia Federal afirmou: "a repressão contra atos de servidores do órgão policial é extremamente sensível e, embora cause desconforto aos investigadores e a toda a instituição, é essencial para a manutenção da lisura e do compromisso que a Polícia Federal tem de servir à sociedade brasileira".

A reportagem fez contato com o escritório do advogado Sanzio Baioneta Nogueira, que defende Andrea Neves, e aguarda a sua manifestação. A reportagem também tenta ouvir representantes dos advogados Ildeu da Cunha Pereira e Carlos Alberto Arges Júnior.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Política