Topo

'Quem demarca terra indígena sou eu, quem manda sou eu', diz Bolsonaro

O presidente da República, Jair Bolsonaro, participa da Marcha para Jesus, principal encontro evangélico do país, em São Paulo - Jales Valquer/Framephoto/Framephoto/Estadão Conteúdo
O presidente da República, Jair Bolsonaro, participa da Marcha para Jesus, principal encontro evangélico do país, em São Paulo Imagem: Jales Valquer/Framephoto/Framephoto/Estadão Conteúdo

Bárbara Nascimento

São Paulo

20/06/2019 17h27

O presidente Jair Bolsonaro comentou hoje o envio de medida provisória (MP) que reverte decisão do Congresso Nacional e transfere da Funai para o Ministério da Agricultura a demarcação de terras indígenas. Segundo ele, quem define a demarcação de terras é o presidente, e não um ministro.

"Quem demarca terra indígena sou eu, não é ministro. Quem manda sou eu nessa questão, entre tantas outras. Eu que sou presidente, que assumo ônus e bônus", afirmou.

Ele acrescentou que respeita o Congresso e que havia combinado com o ministro Onyx Lorenzoni que a questão poderia ficar na Funai se houvesse consenso entre os líderes. "O que acertei com Onyx na questão da Funai foi que, se houvesse acordo entre a cúpula da Câmara, partidos, retornaríamos para lá", afirmou.

O presidente criticou o Ibama e disse que o órgão vai parar de "atrapalhar quem quer produzir".

Bolsonaro sinalizou, ainda, que pretende se articular em relação ao decreto das armas, derrubado pelo Senado e que ainda será analisado pela Câmara dos Deputados.

"Assim como deputados e senadores me procuram para vetar artigos aprovados, eu procuro também deputados e senadores para fazer valer também aquilo que eu acho que está certo. Vou agora entrar em contato com os homens do campo", disse, em referência à bancada ruralista.

Bolsonaro visita familiares e sobrevoa jazidas de grafita no interior de SP

TV Folha

Mais Política