Topo

Governo Bolsonaro espera que EUA barrem conversa sobre Amazônia no G-7

28.jun.2019 - Jair Bolsonaro e o presidente dos EUA, Donald Trump, posam para foto durante o Encontro do G20 - Reprodução/Twitter/@jairbolsonaro
28.jun.2019 - Jair Bolsonaro e o presidente dos EUA, Donald Trump, posam para foto durante o Encontro do G20 Imagem: Reprodução/Twitter/@jairbolsonaro

Beatriz Bulla

Washington

24/08/2019 09h45

Com a ligação de Donald Trump ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), o governo brasileiro espera que os Estados Unidos indiquem, durante o G-7, que só aceitarão discutir os incêndios na região da floresta amazônica com a presença e participação do Brasil.

O tema, segundo interlocutores do governo brasileiro, foi tratado na conversa entre os dois presidentes. A visão é de que os EUA apoiam uma postura de soberania do Brasil - e podem se opor ao desejo de líderes europeus, como o francês Emmanuel Macron, que já afirmou que deseja debater o assunto no encontro das sete nações mais ricas.

Trump desembarcou na França na manhã de hoje. O governo brasileiro está seguro de que o americano, junto de outros países, vai barrar qualquer tentativa de levantar o assunto. A previsão é de que Japão e Itália endossem a necessidade de participação do Brasil em eventual discussão sobre a Amazônia.

O presidente dos Estados Unidos tem se mantido em lado oposto aos europeus no debate de proteção ambiental. Ele retirou os EUA do Acordo de Paris e, em junho, durante o G-20, mais uma vez se manteve isolado diante da renovação de compromisso dos demais países em tomar medidas para conter a mudança climática.

No final desta sexta-feira, Trump se pronunciou pela primeira vez sobre o assunto, em tom diferente do adotado por Macron ou pela chanceler alemã, Angela Merkel. No lugar da cobrança ao presidente brasileiro, como feito pelos europeus, Trump disse que os EUA estão dispostos a ajudar o Brasil e que a relação entre os dois países está "mais forte do que nunca".

Além de EUA, Japão e Itália, o Brasil conta com o Reino Unido para desempatar o debate e defender que o assunto seja discutido com a participação do Brasil. Na sexta-feira, o premiê britânico, Boris Johnson, divulgou nota na qual disse estar profundamente preocupado com os incêndios e o impacto das chamas na natureza.

Trump, segundo fontes do Planalto, defendeu a soberania do Brasil no assunto ao conversar com Bolsonaro. Desde que as queimadas na Amazônia atraíram pressão da comunidade internacional, o governo tem defendido a tese de que seria uma violação à soberania brasileira discutir o assunto no G-7, sem a presença do Brasil. Na quinta-feira, no Twitter, Bolsonaro afirmou que "a sugestão do presidente francês, de que assuntos amazônicos sejam discutidos no G7 sem a participação dos países da região, evoca mentalidade colonialista descabida no século 21".

Os EUA e Israel ofereceram ajuda ao Brasil, mas, até agora, o País não fez nenhuma sinalização aos americanos. O Brasil não pretende solicitar ajuda externa. A ideia é que, se for necessário, seja coordenado o apoio entre os países da região amazônica.

A conversa entre Trump e Bolsonaro não se limitou à situação da Amazônia, como ficou claro nas manifestações em redes sociais dos dois presidentes. Eles falaram sobre perspectiva de um acordo comercial abrangente. Brasil e Estados Unidos querem lançar negociações de livre comércio - o que, em um primeiro momento, não irá abranger debates sobre tarifas. A ideia é avançar em marcos regulatórios para preparar terreno para um acordo maior no futuro.

Mais Meio Ambiente