PUBLICIDADE
Topo

Política

Assessor 'olavista' é promovido e ganha cargo de chefia no Palácio do Planalto

O assessor internacional da Presidência, Filipe Martins - Reprodução/Twitter
O assessor internacional da Presidência, Filipe Martins Imagem: Reprodução/Twitter

Jussara Soares

Brasília

08/06/2020 13h53

Um dos expoentes da chamada ala ideológica do governo, Filipe Martins, de 31 anos, foi promovido pelo presidente Jair Bolsonaro hoje e se tornou assessor chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais. A mudança de status foi publicada no Diário Oficial da União (DOU).

Antes, Martins tinha o cargo assessor adjunto na mesma área, atualmente ligada à Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos (SAE). Com a mudança, Martins, ex-aluno do escritor Olavo de Carvalho, ganha mais autonomia e espaço político no momento em que crescem movimentos contrários ao governo.

A tendência é que o assessor passe a opinar além dos temas internacionais e ser presença constante ao lado de Bolsonaro, que tem cobrado posicionamento político mais duro de integrantes do governo como reação às críticas. Na última quinta-feira, 4, Martins participou da transmissão ao vivo semanal nas redes sociais do presidente, na qual fez críticas aos movimentos pró-democracia.

Na live, o assessor disse que os "antifas" (movimentos antifacistas) não passam de "black blocks" com outro nome. No vídeo, Martins disse que o "fascismo é o oposto" do governo Bolsonaro. "É o exato oposto daquilo que o senhor defende. Eles usam como terminologia apenas num truque linguístico, um ardil que eles têm pra tapear as pessoas que estão olhando, para se dizerem favoráveis à democracia", disse.

A ascensão de Martins no Palácio de Planalto também coincide com a intensificação da cobrança de Bolsonaro para que seus subordinados se alinhem ideologicamente. Na reunião ministerial do dia 22 de abril, o presidente exigiu que o primeiro escalão defendesse o governo.

Na ocasião, disse que os auxiliares deveriam seguir o exemplo do ministro Educação, Abraham Weintraub, mas de "forma mais educada um pouquinho." Foi nesta reunião que Weintraub disse que colocaria "todos os vagabundos na cadeia", começando pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

A promoção também fortalece Martins no momento em que voltou a ser criticado internamente por integrantes do Executivo, a maior parte dele militares. Próximo dos filhos do presidente, o assessor-chefe de Assuntos Internacionais é apontado por colegas no Planalto como um dos integrantes do chamado 'gabinete do ódio', grupo de assessores do Palácio do Planalto comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). A existência desse núcleo foi revelada em reportagem do Estadão de setembro do ano passado.

O grupo está na mira de um inquérito do STF que investiga ameaça, ofensas e fake news contra membros da Corte. O avanço da investigação pode abrir caminho para a cassação da chapa de Bolsonaro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O relator do inquérito é o ministro Alexandre de Moraes.

A nova função de Martins foi oficializada um dia após o guru do bolsonarismo, Olavo de Carvalho, criticar publicamente o presidente. Martins é considerado um dos alunos mais destacados do escritor.

Em vídeo divulgado na madrugada de ontem, Olavo afirmou que Bolsonaro não faz nada para defendê-lo de uma suposta milícia digital e escreveu que pode derrubar o governo: "Quer levar um processo de prevaricação da minha parte? Se esse pessoal não consegue derrubar o seu governo, eu derrubo. Continue inativo, continue covarde e eu derrubo essa mer.. desse seu governo, aconselhado por generais covardes ou vendidos", ameaçou. O guru ainda pergunta: "Os militares obedecem você ou é você que obedece a eles?".

Apesar da promoção, Filipe Martins não teve alteração na sua remuneração. O assessor segue como DAS 101.6, cujo salário é de R$ 16.215,22.

Política