PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Doria mantém redução de intervalo para a dose adicional contra covid para 4 meses

Doria é contra a recomendação da Anvisa para manter intervalo para a dose de reforço - 3.nov.2021 - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo
Doria é contra a recomendação da Anvisa para manter intervalo para a dose de reforço Imagem: 3.nov.2021 - Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Pedro Venceslau*

Em Nova York (EUA)

04/12/2021 20h33

Em entrevista coletiva em Nova York, o governador João Doria afirmou neste sábado, 4, que São Paulo vai manter a redução no intervalo do prazo de aplicação da terceira dose da vacina contra a covid-19. Na quinta feira, 2, o tucano havia anunciou a redução no prazo de cinco para quatro meses, mas um dia depois a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) pediu a reavaliação da decisão.

"São Paulo vai seguir orientação do Comitê Científico, que define as medidas de combate à pandemia desde o primeiro caso de covid no estado. A Anvisa não tem poder de determinar e proibir decisões estaduais", disse o governador paulista. "O Supremo Tribunal Federal ratificou recentemente que cabem aos Estados definir as políticas de vacinação e de saúde."

Em nota enviada à Prefeitura de São Paulo nesta semana, a Anvisa afirmou que não tem como garantir que os "benefícios superam os riscos" se a dose de reforço for aplicada em quatro meses, independente da vacina ofertada. A agência também afirmou que os dados disponíveis ainda não são suficientes para adoção e reprodução da Anvisa. Com a disseminação da variante ômicron, a capital também decidiu alterar o cronograma entre as doses.

A Anvisa alertou, ainda, que a redução generalizada do intervalo para a aplicação da dose de reforço "pode favorecer o aumento e o aparecimento de reações adversas desconhecidas".

A medida é válida para quem tomou duas doses dos imunizantes da Coronavac, AstraZeneca ou Pfizer. No caso do imunizante de dose única da Janssen, o reforço poderá ser recebido a partir de 2 meses.

O governo de São Paulo também decidiu manter obrigatoriedade do uso de máscaras diante da nova variante ômicron.

*O repórter viajou a convite da InvestSP

Coronavírus