PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Hillary sobe tom e compara Vladimir Putin a Adolf Hitler

05/03/2014 11h36

A ex-secretária de Estado norte-americano e possível candidata democrata à Presidência, Hillary Clinton, subiu o tom contra o mandatário russo, Vladimir Putin, comparando-o com Adolf Hitler.

De acordo com o jornal "The Washington Post", Hillary afirmou que Putin estaria "agindo como Hitler antes da Segunda Guerra Mundial", por conceder passaportes russos a centenas de habitantes da Crimeia.

Embora tenha maioria étnica russa, a Crimeia é uma região autônoma pertencente à Ucrânia.

Por sua vez, Hitler também concedeu passaportes a pessoas de ascendência alemã que viviam na Tchecoslováquia e na Romênia antes de deflagrar a guerra.

"O que está acontecendo na Ucrânia tem algo de familiar. É o que Hitler fez nos anos 1930", disse Hillary, pronunciando-se pela primeira vez sobre a crise no país. "A todos os alemães 'étnicos', os alemães de ascendência que viviam na Tchecoslováquia, na Romênia e em outros lugares, Hitler dizia que não eram tratados bem pelo governo, dizia que lutaria para proteger 'seu povo'", afirmou Hillary durante um evento privado na Califórnia.

O "The Washington Post", porém, destacou que a declaração foi publicada pelo "The Press-Telegram", o único veículo presente no evento em Long Beach, cujo objetivo era recolher fundos.

Entenda a crise

A crise entre Rússia e Ucrânia começou em fevereiro deste ano, quando, após a deposição do ex-presidente ucraniano Viktor Yanukovich, militares pró-Rússia invadiram bases militares e tomaram aeroportos na região da Crimeia. A Crimeia é uma república autônoma da Ucrânia onde a maioria da população é de origem russa. 

 

 
O governo russo se recusou a reconhecer a legitimidade do governo que sucedeu Yanukovich e alega que o ex-presidente foi deposto por um golpe de Estado. O presidente russo, Vladimir Putin, negou que os militares na Crimeia sejam russos, mas disse que seu país tem legitimidade para intervir militarmente na região caso cidadãos russos sejam ameaçados pelo governo ucraniano. 
 
Potências europeias do Ocidente e a Rússia disputam o apoio da Ucrânia. Após a deposição de Yanukovich, a Rússia anunciou o cancelamento de um empréstimo de US$ 15 bilhões cujas negociações estavam em curso. Nesta quarta-feira, a União Europeia anunciou um pacote de auxílio financeiro para a Ucrânia no valor de US$ 15 bilhões. Nesta terça-feira (4), o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, anunciou empréstimos no valor de US$ 1 bilhão. 
 

Internacional