Corte argentina condena 28 ex-repressores à prisão perpétua

BUENOS AIRES, 26 AGO (ANSA) - A Justiça da Argentina condenou à prisão perpétua 28 ex-repressores pelos crimes cometidos na base militar clandestina conhecida como "La Perla", reconhecendo, pela primeira, que foram cometidos crimes de lesa humanidade no país também antes da última ditadura (1976-1983).   

O promotor Jaime Díaz Gavier, envolvido no julgamento, explicou, em entrevista ao jornal "La Nacion", que é a primeira vez que o país reconhece a existência de terrorismo de Estado no período da Democracia e execuções, torturas, além de roubos de bebês.   

A sentença, que denuncia um "plano sistemático de extermínio", abre caminho para que sejam investigados crimes durante o governo de Isabel Perón, que precedeu a ditadura.   

Entre os réus, o mais famoso é o militar aposentado Luciano Benjamin Menendez, de 89 anos, que já cumpre outras sentenças de prisão perpétua por seu papel durante a ditadura. Acusado de assassinato e sequestros de opositores, ele era conhecido como "a hiena", por rir durante as sessões de tortura.   

O julgamento foi acompanhado de perto por centenas de parentes de vítimas e ativistas de direitos humanos, que comemoraram o veredito com gritos de "assassino". (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos