Vice-presidente da Samsung é indiciado por corrupção

PEQUIM, 28 FEV (ANSA) - O vice-presidente e herdeiro da Samsung, Lee Jae-Yong, e outros quatro executivos da empresa foram oficialmente indiciados nesta terça-feira (28) por corrupção, no âmbito do escândalo que tem abalado a Coreia do Sul.   

Lee, de 48 anos, foi acusado por "corrupção, utilização indevida de bens públicos, ocultação de ativos no exterior e perjúrio", declarou Lee Kyu-Chul, porta-voz da equipe especial que investiga o caso.   

O chefe do maior conglomerado empresarial sul-coreano teria pago 43 bilhões de wons (US$ 36,42 milhões) para organizações ligadas a Choi Soon-sil, apelidada de "Rasputina sul-coreana" e amiga da presidente afastada da Coreia do Sul, Park Geun-hye, que é o centro do escândalo no país.   

A justiça acredita que o suborno de Lee foi realizado para garantir sua liderança na Samsung e a controversa fusão entre a companhia e a Cheil Industries Inc. de US$8 milhões apoiada pela National Pension Service (NPS) em 2015.   

No último dia 17 de fevereiro, as autoridades decretaram a prisão provisória de Lee, filho do presidente do grupo e neto do fundador da Samsung. Além do crime de suborno, a promotoria acusa o empresário de peculato e perjúrio, por ter dado várias versões em seus depoimentos. Histórico O escândalo de corrupção na Coreia do Sul concentra-se em Choi Soon-sil, que é acusada de ter interferido em assuntos oficiais sem possuir cargo no governo e de ter aproveitado dessa influência e da amizade com a presidente Park para embolsar grandes quantias de dinheiro de companhias e conglomerados da Coreia do Sul, como Samsung, Hyundai e LG, que pagaram milhões de dólares de suborno através de fundações privadas criadas por ela.   

Segundo as investigações, Choi e Park teriam dividido entre si os lucros dos subornos conseguidos. O caso explodiu no país asiático de tal maneira que, em dezembro do ano passado, o seu Parlamento decidiu aprovar o impeachment da presidente, que atualmente está afastada.   

O Tribunal Constitucional tem até junho para decidir se Park tem de abdicar permanentemente ou pode voltar a assumir o cargo. Os poderes presidenciais da mandátaria estão suspensos.   

Caso a destituição de Park avance, a Coreia do Sul terá que realizar eleições presidenciais nos 60 dias seguintes. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos