Berlim e Paris prometem ajudar mais Itália na crise migratória

TRIESTE, 12 JUL (ANSA) - A chanceler alemã, Angela Merkel, e o presidente da França, Emmanuel Macron, reconheceram que precisam fazer mais para ajudar a Itália na gestão da crise migratória. A afirmação foi dada após uma reunião em Trieste com o premier italiano, Paolo Gentiloni, nesta quarta-feira (12).   

"Queremos ser solidários com a Itália na política de imigrações.   

A Itália tem feito um grande trabalho sobre os imigrantes e seremos solidários com a Itália. A Europa não pode ser só a Europa da economia, mas também a Europa que enfrenta junto todos os desafios", disse Merkel em uma coletiva de imprensa após o encontro.   

Por sua vez, Macron reconheceu que "a França não fez sempre a sua parte no que se refere os refugiados" e que seu novo governo está "acelerando os processos e faremos nossa parte nessa luta".   

Apesar de já estar marcada, a reunião entre os três líderes ocorre cerca de 24 horas depois da União Europeia aceitar revisar os trabalhos da Operação Triton, a força-tarefa responsável pelo resgate de deslocados no Mar Mediterrâneo.   

Atualmente, as operações na costa italiana são feitas tanto pela Guarda Costeira do país, como por ONGs internacionais e pela União Europeia.   

O anfitrião do encontro agradeceu a Merkel e Macron e disse que os três líderes concordaram sobre a "necessidade de ter uma União Europeia mais coesa e mais forte".   

"A Itália fez e continuará a fazer a sua parte sobre o tema de socorro e do acolhimento, mas ao mesmo tempo luta para que a política migratória não seja confiada a apenas alguns países, mas seja compartilhada com toda a União Europeia", acrescentou.   

Nas últimas semanas, o governo de Roma tem feito repetidos apelos solicitando auxílio da União Europeia para gerir a crise.   

Isso porque, apesar de ter ocorrido uma diminuição no número de chegadas pelo Mediterrâneo na rota que leva até a Grécia, os portos italianos continuam a bater recordes no número de deslocados.   

O fato ocorre porque, diferentemente da maioria síria e iraquiana que chega às ilhas gregas, a Itália recebe os imigrantes que vêm do norte da África.   

"Todos devemos enfrentar a luta contra a migração ilegal, através da cooperação com a África, particularmente importante para zonas como o Níger e a Líbia", destacou ainda Merkel.   

Um acordo europeu com os países africanos é um dos maiores pedidos dos italianos, que já chegou a finalizar acordos de maneira independente, mas que não surtiram muito efeito.   

Segundo dados oficiais do Ministério do Interior da Itália, até esta quarta, o país recebeu 85.217 deslocados, uma alta de 8,9% na comparação com o ano passado, quando chegaram aos portos italianos 78.255 imigrantes. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos