Sem citar rohingyas, Papa pede união de religiões em Myanmar

YANGON, 28 NOV (ANSA) - No primeiro dia de atividades de sua visita a Myanmar, o papa Francisco se reuniu nesta terça-feira (28) com 17 expoentes religiosos de várias crenças no país, incluindo cristãos, budistas, hindus, islâmicos e judeus, em Nay Pyi Taw.   

Após agradecer a disponibilidade de todos para a reunião, o Pontífice defendeu as diferenças como ponto fundamental para a união, em uma menção indireta à crise entre budistas e muçulmanos rohingyas.   

"Ao ver vocês, me vem em mente uma oração, dos Salmos, onde diz que somos irmãos e que a unidade não é uniformidade. Todo mundo tem seu valor, as suas riquezas e também as suas fraquezas. E cada confissão tem suas riquezas, suas tradições para nos dar. E isso só é possível se nós vivermos em paz. E a paz se constrói no corpo das diferenças porque a unidade sempre implicará na diversidade", afirmou aos presentes.   

Seguindo com sua fala, Jorge Mario Bergoglio destacou que a humanidade "tende à uniformidade".   

"E isso é marcar a humanidade, isso é uma colonização cultural.   

Nós devemos estender a riqueza das nossas diferenças étnicas, religiosas, populares e, dessa diferença, deve surgir o diálogo.   

Um aprende muito com o outro se o ver como um irmão que ajudará a construir esse país, que geograficamente tem muitas riquezas.   

Nós somos irmãos e devemos conversar como irmãos", disse ainda.   

Antes de sua viagem a Myanmar, o papa Francisco foi "orientado" pelos líderes locais a não usar o termo "rohingya" em seus discursos. Isso porque o governo está sendo muito criticado por conta da perseguição em massa dessa minoria religiosa, que já causou a fuga de mais de 600 mil pessoas para Bangladesh.   

Toda a cúpula de lideranças, incluindo os militares, foram acusados pelas Nações Unidas, e até pelos Estados Unidos, de estarem "fazendo uma tradicional limpeza étnica". Após meses de perseguições contra os rohingyas, o governo de Myanmar e de Bangladesh informaram que fecharam um acordo para a volta dos cidadãos do país para "seu" estado, em Rakhine.   

A pequena nação na Ásia tem maioria budista e os rohingyas sempre foram considerados "cidadãos de segunda classe", não tendo os mesmos direitos básicos do que os outros cidadãos. Por exemplo, para alguém dessa minoria ter acesso à saúde e à educação, precisa de uma autorização especial do governo.   

- Encontro com autoridades: Após a reunião inter-religiosa, o Papa terá uma série de encontro com líderes políticos, incluindo o presidente do país, Htin Kyaw, e com a conselheira de Estado e Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi - que foi duramente criticada por não agir na questão dos rohingyas.   

Ainda hoje, ele deixa Nay Pyi Taw e volta para a cidade de Yangon, onde passará a noite no arcebispado. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos