'Espetáculo pueril e ridículo', diz Irã sobre Netanyahu

TEL AVIV, 30 ABR (ANSA) - O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, acusou o Irã de planejar a construção de ao menos cinco bombas nucleares equivalentes àquela lançada pelos Estados Unidos sobre Hiroshima, no Japão.   

Segundo ele, os serviços secretos tiveram acesso a "55 mil documentos", incluindo fotos, que comprovam o projeto de Teerã.   

Além disso, Netanyahu afirmou que, com seus mísseis, o Irã poderia atingir locais a "milhares de quilômetros" de distância.   

"O acordo nuclear é baseado em mentiras. O Irã mentiu quando afirmou não ter um programa para a produção de ogivas nucleares.   

Mesmo depois do acordo, o Irã continuou a proteger e a estender os próprios conhecimentos sobre armas atômicas, para o futuro", acusou o primeiro-ministro.   

Netanyahu chamou as denúncias de "um dos maiores sucessos" dos serviços de inteligência de Israel. O premier é o maior crítico do acordo nuclear com o Irã, assinado também por Alemanha, China, Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e União Europeia.   

Com o pacto, Teerã se comprometeu a limitar seu programa atômico e a usá-lo apenas para fins pacíficos, em troca da redução das sanções internacionais. Por outro lado, aceitou submeter suas atividades nucleares a inspeções regulares.   

O pronunciamento de Netanyahu chega pouco depois de uma base na Síria usada pelo governo iraniano ter sido bombardeada, em um ataque que deixou 40 mortos. Principal suspeito da ação, Israel vê com preocupação o crescente ativismo político e militar de Teerã em território sírio e no Oriente Médio.   

Além disso, as acusações são uma forma de aumentar a pressão para os EUA apressarem a iminente saída do tratado nuclear.   

"Estou certo de que Donald Trump fará a coisa certa", declarou o premier, que também telefonou para a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e para os presidentes da França, Emmanuel Macron, e da Rússia, Vladimir Putin.   

Os três países, assim como o Reino Unido, tentam demover Trump da ideia de romper o acordo com o Irã. "Convidamos mais uma vez a comunidade internacional a se unir ao percurso traçado pelos Estados Unidos e pedir as necessárias modificações no falido acordo nuclear", disse.   

Reações - O vice ministro das Relações Exteriores do Irã, Abbas Araghchi, chamou a apresentação de Netanyahu de "espetáculo pueril e até ridículo". "Um show organizado antecipadamente para influenciar a decisão de Trump, ou então um plano coordenado entre ele e Trump para destruir o acordo", declarou o vice-chanceler à TV pública iraniana.   

Por sua vez, a alta representante para Política Externa da União Europeia, Federica Mogherini, uma das artífices do tratado nuclear, disse que as acusações de Netanyahu "não colocam em dúvida" o respeito de Teerã ao pacto. "O acordo não está baseado em boa fé ou confiança, mas em compromissos concretos, mecanismos de verificação e um rígido monitoramento dos fatos", afirmou a italiana. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos