Papua Nova Guiné bloqueará acesso a Facebook por um mês

ROMA, 30 MAI (ANSA) - O governo da Papua Nova Guiné irá impedir o acesso ao Facebook por um mês no país, em um curioso e polêmico experimento que visa a entender o impacto das fake news na sociedade. "Este período irá permitir que sejam identificadas informações e perfis falsos, e usuários que divulgam conteúdo pornográfico ou pedófilo. Todos serão filtrados e removidos. Isso também fará com que as pessoas com identidades verdadeiras tenham mais responsabilidade em usar as redes sociais", disse o ministro da Comunicação, Sam Basil. De acordo com ele, o crescimento constante das redes sociais sempre impediu o governo de ter tempo para "refletir sobre as vantagens e desvantagens do Facebook e para educar a população". Citando o escândalo da Cambridge Analytica, o ministro também disse que "esse pode ser o momento de criar uma própria rede social". O banimento do Facebook é permitido por meio da Lei de Crimes Cibernéticos, que vai aprovada no país em 2016.   

A Papua Nova Guiné, na Oceania, tem uma população de oito milhões de pessoas, mas menos de 15% delas têm acesso à internet. A decisão do governo gerou preocupação na comunidade internacional, já que alguns países, como a China, bloqueiam o Facebook por motivo de censura. "Um mês é um tempo interessante, mas não tenho certeza que o projeto levará ao resultado necessário. Se o problema são as fake news, existem outros modos de monitorar o fenômeno sem bloquear a plataforma toda", comentou Aim Sinpeng, especialista de política e mídias digitais da Universidade de Sidney. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Receba por e-mail as principais notícias sem pagar nada.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos