PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Sumiço de embaixador em Roma gera ira em Kim Jong-un

30/01/2019 15h47

PEQUIM, 30 JAN (ANSA) - O desaparecimento do embaixador norte-coreano em Roma, Jo Song-gil, provocou a ira do ditador Kim Jong-un, que decidiu afastar vários funcionários de alto escalão do governo. De acordo com fontes da Coreia do Sul, Kim Jong-un teria demitido, entre outros, Ho Chol, um funcionário do Ministério das Relações Exteriores e chefe da divisão que controla a lealdade dos diplomatas a Pyongyang.   

O diplomata sumiu em novembro de 2018, com sua mulher e, até o momento, não há pistas sobre seu paradeiro. Há suspeitas de que ele pode ter fugido e solicitado asilo a um país do Ocidente. Geralmente, todos os diplomatas e embaixadores da Coreia do Norte servem no exterior sem familiares, para que não haja possibilidade de desertarem. Como Jo Song-gil vivia em Roma com a esposa, acredita-se que ele fosse alguém próximo a Kim Jong-um.   

Agentes de inteligência de Seul suspeitam que o embaixador fosse o filho mais velho de uma prima do "presidente eterno" e fundador da Coreia do Norte, Kim Il-sung, avô de Kim Jong-um.   

(ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Internacional