A menina de 13 anos que deu à luz na Bolívia após ser 'entregue' pelos pais a seu estuprador

Boris Miranda

Da BBC Mundo

  • Divulgação

    Hospital da Mulher de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, onde Vania C. deu à luz

    Hospital da Mulher de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, onde Vania C. deu à luz

Caso só veio à tona após denúncia de hospital e expôs situação que se repete pela América Latina, alerta organização

Vania C., de 13 anos, chegou a acreditar que Elías V. era seu marido, e agora descobriu ter sido vítima de múltiplos estupros.

Segundo ela, o homem de 32 anos que a engravidou contra sua vontade era alguém que ajudava sua família (ela e os pais) a enfrentar graves dificuldades econômicas.

Por isso Vania nunca denunciou os abusos. Seus pais, de acordo com a polícia boliviana, aceitaram Elias como "genro" e entregaram a filha grávida a ele.

O caso não teria vindo à tona se não fosse a ação do hospital em Santa Cruz de la Sierra onde a menina deu à luz, que denunciou a história à polícia.

Denúncia que agora motivou um processo judicial por "estupro qualificado contra criança".

Presentes

O diretor da Força de Luta contra a Violência da polícia boliviana, Gonzalo Medina, disse à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, que Elias se aproximou de Vania por meio de presentes.

"O estuprador conquista a menina com roupa e outras gentilezas. Os pais também recebem presentes e alimentos. E assim o aceitam como genro", disse.

Deste modo, Elias conseguiu não apenas ter relações sexuais sem consentimento com a menina de 13 anos, mas a levou para viver como sua mulher.

"Os pais não veem isso como crime. Inclusive pensam que é uma situação de sorte", afirmou Medina.

Segundo os registros policiais do caso, a condição econômica de Vania e dos pais foi um dos elementos usados por Elias para se aproveitar da situação.

A família de Vania vem de uma comunidade rural que migrou em condições precárias para Santa Cruz, uma das maiores cidades da Bolívia.

'O salvador'

De acordo com Miriam Suárez, diretora da organização boliviana de auxílio legal e psicológico Casa da Mulher, casos como o de Vania se repetem "com muita frequência" com meninas desde os 10 anos.

"As meninas estão muito expostas e não apenas por condições econômicas, mas pela violência nas casas e pela decomposição das famílias. Por isso fogem, e é quando acreditam ter encontrado um 'salvador'", afirma.

A última pessoa que pode ser responsabilizada nesses casos, afirma Suárez, é a menina.

"São esses 'salvadores' que se aproveitam da pobreza e da desproteção. A menina nunca é culpada, é praticamente obrigada a se expor a abusos."

Ela acrescentou que, como no caso de Vania, muitas vezes os pais são cúmplices porque consentem com estupros e outros abusos.

São situações, afirma, que não geram apenas convivência forçada e estupros, mas servidão e abusos físicos.

"É um problema que conhecemos em vários pontos da Bolívia, mas também ocorre no resto da América Latina", diz Suárez.

Liberdade

Elias V. foi preso logo que o caso veio a público. Contudo, horas depois, no último dia 27 de maio, ele foi posto em liberdade.

Ele usou o argumento que formava um "casal" com a menina e apelou aos "usos e costumes" da Bolívia.

Mas a polícia diz que ele não está livre das acusações. O pai de Vania também responderá no processo por estupro qualificado que tramita contra o agressor.

Enquanto isso, Vania permanece com seu bebê no hospital em que deu à luz. Aos 13 anos, ela já tem outra vida sob sua responsabilidade.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos