A 'guerra ao carro' que combate trânsito, melhora ar e cria polêmica em Paris há 15 anos

  • Getty Images

    Margens do Sena estão sendo transformadas em áreas de lazer de uso comum

    Margens do Sena estão sendo transformadas em áreas de lazer de uso comum

Há 15 anos a prefeitura de Paris vem empreendendo uma "guerra ao carro" que já teve como efeito melhorar o trânsito e reduzir a poluição do ar na capital francesa.

Mas nem por isso as polêmicas perderam a intensidade.

Desde a adoção de inúmeras ações para desestimular o uso de carros, em 2001, o número de veículos que circulam por dia na capital francesa já caiu em 28%.

De lá para cá, 1 milhão de pessoas a mais passaram a utilizar diariamente os transportes públicos, segundo as autoridades municipais.

Hoje, 60% dos parisienses não possuem carro. No início dos anos 2000, esse número representava a metade dos moradores da cidade.

A mais recente medida foi aprovada no mês passado pela Câmara dos Vereadores, onde a prefeita socialista Anne Hidalgo comprou uma longa queda-de-braço com seus críticos.

Mas no fim, conseguiu a aprovação de um projeto para tornar uma área de 3,3 quilômetros da margem direita do rio Sena (rive droite), onde circulam diariamente dezenas de milhares de veículos, uma região totalmente para os pedestres, onde carros são proibidos.

O acesso dos veículos em pouco mais de 2 quilômetros da margem esquerda do Sena (rive gauche), entre o museu d'Orsay e a ponte d'Alma, já havia sido restrito em 2013 pelo antecessor de Anne Hidalgo, o também socialista Betrand Delanoë.

A zona foi transformada em área de lazer, com atividades esportivas e culturais, além de bares e restaurantes.

"Não estamos mais no modelo do século 20, quando o carro era utilizado o tempo todo", disse à BBC Brasil o secretário municipal de transportes, Christophe Najdovski.

"É preciso usá-lo menos para melhorar o trânsito e se voltar cada vez mais para a multimodalidade, que combina diferentes meios de locomoção."

Discussão urbana

A discussão interessa as grandes cidades, como as metrópoles brasileiras. E entre as medidas discutidas tanto no Brasil quanto na Europa estão o incentivo ao uso de bicicletas e a redução da velocidade em avenidas expressas, como as marginais paulistas.

Christophe Najdovski diz que, para as cidades que enfrentam graves problemas de trânsito e poluição, a única alternativa é "investir de maneira maciça nos transportes coletivos e nas bicicletas".

Miguel Medina/ AFP
Praça da República após obras que tiraram faixas de carro para aumentar o espaço para pedestres e ciclistas

"É a única solução para enfrentar os congestionamento. Se as cidades continuarem investindo em infraestruturas viárias, isso aumentará ainda mais a circulação (de carros) e não resolverá nada a longo prazo", argumenta.

"Quem constrói pistas para carros terá mais motoristas pela frente. Se você fizer ciclovias, terá ciclistas."

Em ambos os casos, o prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), reiterou posições que vão contra a experiência parisiense.

Doria disse que deve desativar algumas ciclovias e não pretende ampliá-las. Afirmou que não deve manter as que não são amplamente utilizadas pela população e que as que funcionam bem serão bancadas pela iniciativa privada, permitindo publicidade no local.

Enquanto o paulista se mantém vago sobre o que fará com a velocidade nas marginais - cuja redução, política da gestão Fernando Haddad (PT), ele prometeu reverter -, Paris vai ampliar as áreas onde a velocidade dos carros será limitada a 30 km/h.

'Paris Respira'

Na capital francesa, a "guerra ao carro" começou quando Betrand assumiu o comando da cidade, em 2001. Entre as primeiras medidas dessa política estiveram a eliminação de faixas para os carros em ruas e avenidas de grande movimento.

No lugar, foram criados corredores para ônibus, táxis e bicicletas.

Milhares de vagas de estacionamento nas ruas da capital também foram suprimidas.

Vários áreas, chamadas de "Paris Respira", tiveram a velocidade limitada para 30 km/h e a direção de ruas foi alterada de tal forma que os locais se tornaram um "labirinto do Minotauro" para circular de carro.

Outro pilar dessa política foi a valorização do uso da bicicleta. Uma medida emblemática foi a criação do Vélib, em 2007, o sistema de aluguel de bicicletas, copiado em várias cidades no mundo, como São Paulo e Londres.

Já são mais de mil estações em Paris e outras mais de 200 nos arredores da capital. O Vélib possui 300 mil assinantes (que pagam a anuidade de ? 29, pouco mais de R$ 100, para utilizar o serviço o ano todo).

Diariamente, cerca de 160 mil trajetos são realizados, em média, nesse sistema.

As medidas incluem o advento do Autolib, sistema público de aluguel de carros elétricos, lançado pela prefeitura em 2011 e disponível em quase 80 municípios nos arredores da capital. A iniciativa possui mais de 100 mil assinantes anuais.

Sob Anne Hidalgo, os ciclistas continuam ganhando espaço na cidade.

Um programa de investimentos milionários prevê dobrar a extensão das ciclovias, passando dos atuais 700 quilômetros (eram 180 em 2000) para 1,4 mil quilômetros até 2020, segundo o secretário municipal.

Os recursos preveem ciclovias com maior segurança, separadas do restante do trânsito, além de novas áreas onde a velocidade dos carros será limitada a 30 Km/h, a criação de uma via expressa para ciclistas e 10 mil vagas de estacionamento para bicicletas.

As medidas incluem incentivos econômicos para aquisição de transporte alternativo ao carro.

A prefeitura subsidia em até ? 400 (quase R$ 1,5 mil) a compra de uma bicicleta elétrica.

O governo francês também concede um bônus de ? 10 mil (R$ 36,7 mil) para quem trocar um carro a diesel por um elétrico e ? 1 mil (R$ 3,67 mil) na compra de uma moto elétrica.

Metrô

E um dos maiores focos foi o metrô. Com praticamente uma estação a cada esquina, a rede parisiense possui atualmente uma malha de cerca de 220 km (terá mais 200 km até 2030).

É praticamente o triplo dos cerca de 75 km em São Paulo, embora a área de Paris seja quase 15 vezes menor do que a da capital paulistana.

Algumas linhas do metrô parisiense ganharam vagões mais amplos e com ar-condicionado para melhorar o conforto dos passageiros.

Quatro novas linhas de metrô, que circularão na periferia da capital, serão criadas nos próximos anos.

Elas integram um gigantesco projeto, chamado "Grande Paris", que conta com recursos ministeriais e regionais para a modernização e a extensão da rede ferroviária suburbana e a criação de um "supermetrô", batizado "Grand Paris Express".

"É um reequilíbrio dos meios de transporte", diz Najdovski.

Segundo ele, 600 mil veículos circulam hoje diariamente em Paris, sendo 400 mil carros, 100 mil motos e 100 mil caminhonetes.

Resultados

As medidas significaram que 230 mil carros deixaram de circular por dia na capital francesa.

Segundo o Instituto de Planejamento e de Urbanismo, a caminhada se tornou o meio de transporte mais utilizado na região de Ile-de-France, que engloba Paris e periferias próximas: 39% dos deslocamentos são realizados a pé.

Paris ainda enfrenta problemas de congestionamentos e de picos de poluição, atingidos regularmente.

Mas a situação seria certamente pior sem as medidas da última década e meia, diz Najdovski.

"A qualidade do ar vem melhorando nos últimos anos, mas ainda não é satisfatória", afirma.

Um estudo da Airparif, organismo que monitora a qualidade do ar em Paris e sua periferia, revela que a diminuição no número de carros resultou em uma redução de cerca de 30% nas emissões de partículas finas e de gases com nitrogênio entre 2002 e 2012, segundo os últimos dados disponíveis.

Críticas

Mas como Betrand Delanoë, a prefeita Hidalgo também enfrenta críticas da oposição, do setor empresarial e de motoristas por sua política de restringir o uso de veículos.

Opositores afirmam que o fechamento de parte das margens do Sena, uma via expressa, acaba criando mais engarrafamentos na capital, já que os motoristas são obrigados a desviar para outras ruas, que ficam ainda mais congestionadas.

Para a associação "40 milhões de motoristas", a prefeitura está restringindo a liberdade de circulação das pessoas.

"É uma aberração fechar esses acessos que permitem atravessar a cidade mais rapidamente. O trânsito já é congestionado nos horários de pico. Os motoristas da periferia precisam do carro para se deslocar e trabalhar", afirma, em um comunicado, o presidente da entidade, Daniel Quero.

A associação diz entender que seja mais fácil para um parisiense não precisar de carro, mas ressalta que não é o caso dos motoristas das periferias.

O Medef, maior sindicato patronal da França, estimou que o fechamento de parte da margem direita do Sena "custará" à economia francesa 1 milhão de horas anuais perdidas no trânsito de Paris.

Najdovski diz que é preciso "uma vontade política muito forte para enfrentar o lobby das montadoras".

"Se existir vontade e investimentos, dá para conseguir. Mas é preciso tempo. São necessários vários anos até que isso produza resultados", diz o secretário parisiense.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos