Irã continua cumprindo acordo nuclear, diz AIEA

Em primeiro relatório após a saída dos Estados Unidos, Agência Internacional de Energia Atômica defende pacto e ressalta que Teerã está fazendo sua parte em troca de alívio de sanções internacionais.A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) afirmou nesta quinta-feira (24/05) que o Irã continua cumprindo os termos do acordo nuclear mesmo depois da saída dos Estados Unidos. No primeiro relatório após o anúncio dos EUA, a agência da ONU defendeu o pacto.

De acordo com a AIEA, o Irã tem mantido os limites permitidos para o enriquecimento de urânio e para o estoque deste elemento químico e de outras substâncias. Quando enriquecido em baixos níveis, o urânio é usado para aplicações pacíficas, como a geração de energia – o objetivo declarado de Teerã para manter essa operação.

A AIEA pediu uma cooperação mais proativa do país, além das obrigações legais, para aumentar a confiança internacional no comprometimento de Teerã. No relatório, a agência defendeu em diversos momentos o acordo, que criou "o regime de verificação mais robusto do mundo".

O relatório foi enviado aos membros da AIEA num momento em que os países europeus, a Rússia e a China tentam salvar o acordo, que estabeleceu a restrição do programa nuclear do Irã em troca do alívio de sanções econômicas.

O pacto, assinado em 2015 pelo grupo P5+1 (os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, mais a Alemanha), está ameaçado com a recente decisão dos EUA de deixá-lo e sancionar Teerã, algo que pode impactar empresas europeias que fazem negócios no país.

Teerã se mostrou disposto a renegociar o acordo, mas deixou claro que, se sua economia for impactada com a volta das sanções americanas, pretende também abandonar o pacto. Na quarta-feira, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, apresentou uma série de condições para permanecer no pacto.

Entre as demandas do governo iraniano à Europa estão confrontar qualquer sanção internacional contra Teerã e a garantia de que os países europeus não tentem negociar o programa de mísseis balísticos iraniano, bem como interferir em assuntos regionais do país.

Trump deixou o pacto no início de maio, alegando que ele não impede o desenvolvimento de uma bomba nuclear. Outro ponto de críticas é a não exigência do fim das pesquisas relacionadas a mísseis balísticos. A Casa Branca argumenta que o programa iraniano de mísseis constitui uma ameaça para seus aliados árabes do Golfo e Israel.

CN/rtr/afp

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos