PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Vanessa Redgrave visita campo de refugiados improvisado no Pireo, na Grécia

30/03/2016 11h15

Atenas, 30 mar (EFE).- A atriz e ativista britânica Vanessa Redgrave visitou nesta quarta-feira o porto do Pireo, em Atenas, onde mais de 5.500 migrantes e refugiados sobrevivem em um acampamento improvisado e superlotado em péssimas condições higiênicas.

Redgrave foi à clínica móvel da ONG Médicos sem Fronteiras, que como a da Cruz Vermelha, atende os refugiados doentes, entre eles muitas crianças.

O mau tempo das últimas semanas fez proliferar doenças infecciosas, como gastroenterite e infecções pulmonares.

Durante sua visita a este acampamento, em que estava acompanhada do roteirista e dramaturgo americano Martin Sherman, a veterana atriz falou com uma afegã grávida, que contou a trajetória de seu êxodo.

Redgrave foi ao Pireo após receber o prêmio honorário da Academia Grega de Cinema, na segunda-feira.

Durante seu discurso de agradecimento, a também embaixadora de boa vontade do Unicef criticou a forma como a União Europeia está agindo nesta crise, e elogiou o humanismo demonstrado pela população grega com os refugiados.

"São estupendos, porque se dão conta que estes refugiados são mães, pais, filhos, seres humanos, e isto é algo que nem um só governo europeu reconheceu. A Europa deveria se envergonhar!", disse.

É a segunda vez neste ano que Redgrave visita um campo de refugiados na Grécia. Em janeiro ela foi ao centro de amparo de Eleonas em Atenas.

Ela então já havia afirmado que os gregos deram uma lição de humanidade na gestão da crise dos refugiados, e pedido aos outros governos que assumam responsabilidades nesta questão, pois a Grécia não pode assumir sozinha essa carga.

A atriz britânica é uma das várias artistas que foram nos últimos meses a diversos acampamentos gregos de refugiados.

Há duas semanas, a atriz Angelina Jolie visitou o Pireo, também na função de embaixadora do Unicef.

Já o artista chinês Ai Weiei está há meses entre a ilha de Lesbos e o acampamento de Idomeni, na fronteira com a Macedônia.

Atualmente há mais de 51 mil migrantes e refugiados na Grécia. EFE

ih/cd

(foto)

Internacional